Julho 12 2010

BOLETÍM CULTURAL

 CATINA MUNDI

 

  Casa México-Aljuriça(Portugal)

( O primeiro Boletim electrónico publicado na Freguesia de Cadima )

             

…Para las niñas y  niños de Portugal, México, Costa Rica y Hispanoamérica es esta publicación mensual…

* Porque o mundo me empurrou/ Caí na lama, e então/ Tomei-lhe a cor, mas não sou/ A lama que muitos são. (A. Aleixo)

*“Procurando o bem para os nossos semelhantes encontramos o nosso”

           ( Platão )        

 

                          

PUBLICAÇÃO  MENSAL, em  PORTUGUÊS e CASTELHANO,  QUE TEM  COMO  OBJECTIVO A PUBLICAÇÃO DE TRADUÇÕES DE TEXTOS DE AUTORES  PORTUGUESES, CASTELHANOS E LATINO-AMERICANOS, RESENHAS DE PUBLICAÇÕES RECENTES  E PASSADAS E NOTÍCIAS SOBRE EVENTOS CULTURAIS D’AQUÉM E D’ALÉM MAR.  (GANDRASMEXICOCOSTARICA.BLOGS.SAPO.PT)

Presentación

Boletín de periocidad mensual  aparece en septiembre de 2009  como fruto del amor por las letras luso-mexicanas. El objectivo esencial de Casa  México  es coadyuvar  en la promoción y en la difusión de las literaturas clásica y contemporânea.  Dicha publicación llegara a los cuatro rincones del mundo via air mail e  InterNet

 

 

 

 

Catina Mundi recorda Matilde Rosa Araujo( 1921-2010 )

E DITORIAL

 

MARX,  DANTE e CAMOES

No  programa cultural da RTP2 “ Camara Clara”, o poeta, Luis Amorim de Souza,  defendeu a leitura dos Lusiadas de Luis  Vaz de Camoes no ensino secundário, porem a nossa cultura actual  so entende de pontapés na bola e de charlas de taberna. Carlos Marx dizia que a religião era o ópio do povo. Neste nosso século XXI, o ópio do povo já não e a religião mas sim o futebol. Os ópios  mudaram e as mentalidades também. Ler os Lusiadas para que? E um texto versificado muito extenso e complexo, difícil de interpretar, aborrecido como o velho do Restelo. Ate os  jovens mestres licenciados pela reconhecida Universidade de Coimbra  são uns pobrezinhos na leitura de estrofes  do poema épico. Isto não e um juízo pessoal absoluto, as excepcoes ainda nevegam por este nosso litoral ventoso. Contudo, os factos confirmam a realidade  desde que o facilitismo invadiu a educação publica da nossa Republica, dando origem a promiscuidade generalizada, tendo como telão de palco o debito de responsabilidade, de liberdade. Nesta nossa lusa democracia ninguém e culpável de nada e a justiça e uma falácia; e o genial marinheiro de Coimbra ate merece ser condenado na sepultura por ter tido a ousadia de gravar no pergaminho as aventuras marítimas de Vasco da Gama a caminho da India…

O nosso actual ambiente social e cultural convida  ao populismo, a socratemediocridade,  a vulgaridade, ao calão grosseiro e violento,  ao sucesso sem reparar a meios e ao matricido da nossa língua.

Há, infelizmente, muitos professores que nunca leram “Os Lusiadas “. Por  amor de Deus leiam Os Lusiadas! E uma obra épica  dedicada aos bravos lusitanos.

Que Dante nos leve a todos deste jardim a beira mar plantado a dar uma voltinha tridemensional pela sua Divina Comedia,  para entravar tanta barbaridade no seio duma sociedade onde ainda restam, por ali e por aqui, Homens de uma grande nobreza de carácter.

  

  

                                       

 

La vieja y conocida máquina del poder

 

 

El ejercicio del poder deviene de la locura, del interés y el cinismo. El abismo entre lo ideal y lo real está lleno de risa.  Desde los viejos tiempos de Erasmo, Cervantes sabe que el ejercicio del poder deviene de la locura del interés y el cinismo, y que en cada acto de gobierno, cuando se trata de gobiernos espurios, trasudan la tentación de oprimir, la debilidad ante los halagos, el deseo de fama, la crueldad, la impostura, y las ambiciones de riqueza. Y Cervantes, muy justamente, pone el discurso sobre el ideal del buen poder en boca de un loco.

El buen gobierno, la recta justicia, no son sino imágenes desbocadas en la mente de don Quijote, que ha perdido el juicio.

La propuesta, como quimera, es del loco; la práctica de poder, por el contrario, Cervantes se la deja a Sancho, el rústico analfabeta. Hay pocos personajes más atractivos para un lector que Sancho mandando; o pocos personajes más atractivos para un ciudadano, como en tantas ocasiones en América Latina, que un arriero, o porquerizo, o coronel, o bachiller mandando, convertido en presidente; los mecanismos imprevistos que tiene el poder, desde la ignorancia, están llenos siempre de risa y de drama, en la literatura y en la vida.

Don Quijote sabe bien lo que las leyes ideales, hechas para no cumplirse, deben contener, y las recomendaciones a Sancho para el ejercicio de su poder son muy concretas: el justo medio, la discreción, la sencillez en el atuendo, la rectitud de costumbres: ni codicioso, ni mujeriego, ni glotón. Y le pide hacer lo que al pueblo descreído de la rectitud de sus gobernantes un día le gustaría ver: que visite las cárceles para consolar a los presos, las carnicerías y las plazas para vigilar los pesos y medidas. Que no engañe, que no robe, que no oprima. Es un espejo útil al ejercicio del poder real que suele representar todo lo contrario. El poder venal, ensartado de corruptelas del que Cervantes habla por boca de los galeotes en el Quijote, y también en La ilustre fregona: “Que no falte unguento para untar a todos los ministros de la justicia, porque si no están untados gruñen más que carretas de bueyes”. Tan antigua y tan contemporánea es la corrupción.

Pero también sabe don Quijote, como lo ha dicho en su discurso sobre las armas y las letras, para qué sirve el poder a los que se esfuerzan en conseguirlo, y pasan tantas penurias hasta llegar a la cima: “...tropezando aquí, cayendo allí, levantándose acullá, tornando a caer acá, llegan al grado que desean; el cual alcanzado, a muchos hemos visto que habiendo pasado por estas Sirtes y por estas Scilas y Caribdis, como llevados en vuelo de la favorable fortuna, digo que los hemos visto mandar y gobernar el mundo desde una silla, trocada su hambre en hartura, su frío en refrigerio, su desnudez en galas, y su dormir en una estera, en reposar en holandas y damascos...”.

Y le dice luego don Quijote a Sancho, que otros “cohechan, importunan, solicitan, madrugan, ruegan, porfían, y no alcanzan lo que pretenden; y llega otro, y sin saber cómo ni cómo no, se halla con el cargo y oficio que otros muchos pretendieron...”. Muchas veces, el oído del poder ni atiende, ni entiende, y otras premia de improviso, como en un juego de azar. Y todo sirve para ilustrar los mecanismos de esa ruleta, y la lucha por entrar en las apuestas, lejos del plano de ideal en que don Quijote se coloca, pero en la certidumbre pesimista, a la vez, de que las cosas nunca podrán ser de otro modo.

 

Línea difusa. La línea entre el bien y el mal, que se pierde tantas veces en la vida en la bruma de las confusiones, se confunden aún más desde el ejercicio del poder. De esa línea difusa, nos habla Cervantes en el Persiles: “Parece que el bien y el mal distan tan poco el uno del otro, que son como dos líneas concurrentes, que aunque parten de apartados y diferentes principios, acaban en un punto”.

El poder, suspendido en la bruma entre el bien y el mal, seguirá siendo fruto de la locura de las ambiciones. “Para eso estoy yo, la locura”, dice Erasmo en su Elogio de la locura, para regocijo de Cervantes, “...adormecidos por las voces de los aduladores... ¡qué felices se sienten gracias a mí! Libres de los cuidados del gobierno, se dedican a la caza, a cabalgar en briosos corceles, a vender los puestos y las magistraturas, a discurrir sin cesar nuevos métodos con los cuales se apropian del dinero de los súbditos para sus vicios y sus lujos.

Cubriendo sus iniquidades con la máscara de la dignidad, resucitan e inventan títulos honoríficos para sus favoritos, y hasta, de cuando en cuando, halagan al pueblo con cualquier bagatela, para tenerlo contento”.

Y a medida que los decretos de Sancho como gobernador de su ínsula de Barataria tratan de establecer reglas de buen comportamiento para los tahúres, matarifes, soldados, sangradores, solicitantes, sacamuelas, prostitutas, sacristanes, alcahuetas, mendigos falsos y reales, y los ponen bajo la amenaza de la vara del alguacil comisionado de medir las costillas de los pícaros, el choque de la justicia con la realidad hace brotar aún más las alegres chispas de la risa.

Y los amenazados por la vara, imaginan el poder de manera contradictoria: quieren en la cárcel a los aprovechados, a los ladrones verdaderos, pero también quisieran el poder en sus manos alguna vez para lucrarse de él. Alguien de abajo, como Sancho, una vez en el poder, siente ese vehemente deseo. Al llegar a las alturas, sueña con dormir en lecho mullido, y ser servido en una mesa espléndida: “...pensé en venir a este gobierno a comer caliente y a beber frío, y a recrear el cuerpo entre sábanas de holanda sobre colchones de pluma...”, dice.

Es una historia esta del poder corrupto que se repite y se repite. Somos testigos a diario de ella, y basta con pasear la vista por nuestro entorno para ver cuánta razón sigue teniendo Cervantes, cualesquiera que sean los disfraces de quienes se apropian del poder sin gana alguna de dejarlo.

 

Teremos malária em Portugal?

Doença pode voltar ao país

2010-07-06

Por Susana Lage

 
 

A doença que chegou a matar quatro mil portugueses por ano, nas décadas de 1920 a 1940, pode voltar a surgir no país, bastando para tal que a temperatura aumente aos níveis que se prevê e que se encontrem mosquitos no território.

 

 

Primeira república em análise

Encontro com a Ciência 2010 recebe estudos recentes sobre a conturbada época de 1910 a 1926

2010-07-07

Por Luísa Marinho



 

 

O campo da historiografia esteve representado no Encontro com a Ciência e a Tecnologia. Aproveitando o facto de em 2010 se assinalarem os 100 anos da implantação da República, vários investigadores apresentaram trabalhos sobre o tema. Na sessão «História e Historiografia da 1º República e do Republicanismo», Fernando Catroga abordou o republicanismo enquanto movimento ideológico, a partir de uma perspectiva comparativa.

 

"Hoje, devido à crise do Estado-nação, os estudos da República e do republicanismo ganharam impacto no campo da ciência e da filosofia política. Muito desse debate se articula com a querela da crise do liberalismo".

 

O investigador abordou o republicanismo de início do século XX no que se passava na Europa. Centrou-se no republicanismo e na modernidade. "A modernidade vai resgatar a ideia de res publica que pode ser sintetizada em dois movimentos: a república norte-americana e a francesa", diz.

 

"A primeira é um contrato social de não hostilidade, não havendo, por questões históricas, confronto com nobreza nem com religião - os próprios religiosos estavam interessados na liberdade de consciência. O modelo francês é diferente pois tem de defrontar poderes estabelecidos, o poder monárquico e o religioso que também detinha  fortes poderes temporais" diz.

Foi mais uma revolução social do que política, ao contrário dos Estados Unidos, sendo o republicanismo português subsidiário da primeira.

 

Norberto Cunha, da Universidade do Minho, abordou o papel de Afonso Costa, primeiro-ministro entre 1913 e 1915, e as querelas entre grupo republicanos diferentes: na câmara dos deputados, maioria de bloquistas mais conservadores  com afinidades a António José de Almeida e do outro lado mais radical e democrático.

"Esta bipolarização tinha antecentes"
e estava enredada no "pensamento positivista" de muitos dos deputados. Os bloquistas defendiam medidas evolucionistas ao contrário dos partidários de Afonso Costa que defendiam medidas mais radicais e rápidas.

 

 
 

a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o investigador António Ventura apresentou um tema que, como ele próprio admite, carece de aprofundamento: o papel da maçonaria durante a primeira república. Foi abordado as posições mais radicais, muitas delas de inspiração radical revolucionária, das várias lojas maçónicas e dos seus intervenientes.

 

O historiador Fernando Rosas fechou a sessão com um estudo sobre o golpe militar de 28 de Maio de 1926, início do Estado Novo. O investigador não considera que esta data tenha sido o fim da primeira república, mas "o princípio do fim".

 

Na verdade, o primeiro-ministro desses anos, António Maria da Silva, "era o símbolo de apodrecimento de republicanismo centrista", tendo havido então uma espécie de "consenso máximo (de vários quadrantes políticos) para um objectivo mínimo: depô-lo".

 

"A direita, abertamente nacionalista, corporativa, anti-liberal não queria regenerar a república mas acabar com ela. Era o integralismo simpatizante de Mussolini apostado na subversão das instituições", explica. Mas a ditadura militar só se conseguiu impor definitivamente depois de ter sido esmagada a Revolta de 26 de Agosto de 1931.

 

Patrimonio edificado

Epoca Antiga e Contemporanea

Catina romana- Kadima árabe- Cadima lusitana

Por Catina, Kadima e Cadima  passaram  romanos, árabes e  frades Cruzios de Coimbra da Ordem de Santo Agostinho, e flores madrilenhas  que  deixaram  o seu testemunho em elementos construídos. Em fontes patrimoniais e culturais, o mais importante para gravar na Historia da Gandara serao os vestígios da presença romana no Sitio de Pelicio  e árabe nas aldeias de Aljuriça- Mazagao ) Guimera, Zambujal, e a Quinta de Santo Amaro . Ao longo do tempo, a Quinta de Santo Amaro deixou de ser uma importante unidade de produção agrícola e centro religioso  para se transformar numa reserva de veraneio ao gosto da realeza castelhana. E viva Espanha, diz a canção!

A histórica Quinta de Santo Amaro e hoje um palacete todo murado, com uma frente ostentosa do século XVII. Fora construído inicialmente pelos cruzios de Santa Cruz de Coimbra, cujo portão de entrada oferece todavia uma lindíssima e decoradissima roseta talhada em pedra de Ança. O palacete da quinta e de importantíssimo valor patrimonial! E um dos raros exemplares edificados que resta  de um género de arquitectura tradicional portugueza que dominou no centro entre os séculos XVI E XIX.

 

A quinta de Santo Amaro e actualmente propriedade de uma Familia espanhola, que tem sabido respeitar e preservar o património edificado catinense. A capela da quinta também foi reconstruída. Os novos donos da Quinta de Santo Amaro são gente culta que sabe de historia, de arte e de cultura.

Tanto sabem de cultura que no presente momento estão a edificar um edifício de grande beleza arquitectónica, com vários pavilhões, um estilo único em todo o concelho de Cantanhede, inserido em contexto rural e especificamente reservado para albergar uma riquíssima Biblioteca bilingue. Resta-nos esperar para sabermos se dita biblioteca servira para cultivar o espírito  dos cadimenses.

Um dos principais deveres do Homem e cultivar a amizade dos livros.

Amigos castellanos, Cadima necesita de personas cultas como ustedes!

 

História: Os Eremitas de Santo Agostinho
O Convento de Nossa Senhora da Assunção de Penafirme

 

A tradição fomentada a partir Chronica da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho (1642), de Frei António da Purificação, a data de 840 para a

 fundação do mosteiro de Penafirme. O feito é, desde então, atribuído a Ancirado, um eremita alemão, que pondo-se em fuga de Santarém, devido aos ataques dos muçulmanos, ali teria vindo parar.

No século XII, segundo o cronista, o mosteiro teria sido quase todo reedificado por S. Guilherme, um dos principais restauradores da Ordem, que, seguindo o mesmo autor, teria passado pelo território de Portugal, aquando da sua visita a Santiago de Compostela.

A documentação existente não nos permite, porém, sustentar estas informações, uma vez que os documentos mais antigos, que atestam a presença dos eremitas em Penafirme, datam do século XIII. A 12 de Abril de 1226, o concelho, por ordem e vontade de dois oficiais régios, o almoxarife Domingos Eanes e o tabelião Martinho Pais, doaram duas propriedades junto a Penafirme a Frei Gaibetino, provavelmente de origem italiana, da Ordem de Santo Agostinho, para que aí se pudesse instalar com os seus companheiros. Uma fundação italiana, tal como a da Graça de Lisboa, cerca de 1234, que deverá estar relacionada com o ramo eremítico originário da Toscana.

De facto, a localização do futuro mosteiro parece apontar para um espaço ermo, despovoado: a este, uma mata pertencente ao concelho, que se estendiam até ao rio fascis; a oeste, o mar; a sul, a Póvoa e o termo de Sancti Juliani (S. Gião de Ribamar, junto a Santa Cruz, onde existiu uma ermida no período medieval). Deste modo, parece ser óbvio o interesse do concelho e o apoio do rei, uma vez que, acolhendo o grupo de eremitas liderado por Frei Gaibetino, lhes permitia fomentar o povoamento de uma região ocupada por matas, pauis e terrenos incultos.

 

 

Fernao Mendes Pinto não

mentiu ao mundo

Por mais de quinhentos anos  pensou-se

que Fernao Mendes Pinto escrevera um relato de suas viagens pelo Oriente coberto de mentiras e fabulaçoes. Em 2010 sabe-se que Pinto não mentiu e 80% do que escrevera em terras de samurais e geishas e verídico.

Afinal, Montemor-o-Velho tem um marinheiro cultíssimo que deixou uma historia escrita de pasmar!

Fernao Mendes Pinto, Camoes, Alexandre Herculano, Camilo C. Branco, Eça de Queiroz, Teixeira de Pascoaes,Antonio Jose Saraiva, Fernao de Magalhaes,Entre outros celebres portugueses, são homens de todos os tempos!

 

 

                   

 

 

                                                                    

 

 

 

 

O rico e sua amada  ignorância, o tontinho provinciano e o seu saber.

              ( conto provinciano)

 

Nos anos 90, nas redondezas de Aljuriça, dois vizinhos discutiam diariamente sobre vários assuntos, mas nenhum se entendia. Um era inteligente mas não tinha bens; outro era muito rico em bens materiais mas nos neurónios tinha menos  massa cinzenta  que um mosquito. Porem, o rico, mais bruto que uma pedra,  que nunca tinha visto mundo, nunca tinha sofrido… considerava-se uma pessoa  sabida e respeitada , e humilhava o humilde  Sancho Panza,  com  caluniante palavreado. Argumentava o rico  -De que te serve , Sancho, ler tanto livro, se tens que viver em casa alheia , usar roupa velha cheia de remendos e pedir esmola para não morreres de fome? Homens úteis somos nos, os que temos muito dinheiro e luxuosos  palacetes  para viver comodamente, e que damos emprego a muitas  gentes  necessitadas.

Mas certo dia… o rico ignorante começou a ver cair os valiosos valores materiais que lhe davam altesa saloia . Assim que  o riquinho brutinho ficou na miséria acompanhado de sua amada ignorância, o Sancho  Panza que passara todo uma vida a ler bons livros, acabou  por abandonar Aljuriça ; e, tranquilamente, se foi em busca de outros ambientes, e em todos os cantinhos  onde chegava era  bem recebido e acarinhado pelos indígenas  porque levava  seu coração cheio de ideias  e de saber.

Moral da historia: um rico bruto e inculto tem menos proveito que uma pedra de granito,  e quando morre nunca mais e recordado. O mortal culto- ainda que viva na rua- sempre será recordado.

( “A riqueza dos pobres - A miséria dos ricos” , uma maravilhosa obra filosófica de autoria do nosso  Camilo Castelo Branco)

 

“Darei a minha vida pela lealdade do povo “,  Salvador Allende

 Darei a minha vida pela verdade e pela liberdade,  Luis de Jesus

“So fazendo o bem se pode realmente ser feliz”,  Aristoteles

“ O mundo não esta ameaçado pelas mas pessoas, mas sim por aqueles jagunços  que permitem a maldade.” Einstein

“As palavras sem fantasia ferem o espírito dos néscios;  as palavras fantasiadas perfumam o coração  dos tontinhos.”   Anonimo

“ Cultivo uma rosa branca, em Junho como em Dezembro, para o cruel que me arranca o coração” Jose Marti, o poeta-libertador d’ Americas.

 

Em Portugal não existe civismo nos meios publicos, e os funcionários públicos não são educados nem humanizados para ajudar o publico em geral. Estamos pouco mais civilizados que os povos africanos e latino-americanos. As nossas universidades não educam e dao uma formação técnica de pouco valor, ainda que tenham  alguns lentes cultissimos. Os que querem

progredir em vários campos da ciência tem que procurar centros de estudos superiores  no estrangeiro, porque longe  deste jardim queimado e fabulizado pelo futebol, todos os mortais se respeitam e se cultivam ao longo da vida. Para anglo-saxonicos e bretões, o saber não ocupa lugar. Em Portugal, a maioria  dos portugueses nascem e morrem sem tocar, sequer, um livro. Os  aldeões alemães lêem entre três a quatro livros por mês. Viva Portugal !... Em Portugal, as universidades, as bibliotecas  mais procuradas e mais afamadas são as tabernas . E nas tabernas so se aprendem coisas doutro mundo e manhesas…Por isso, Portugal e o Pais da Uniao Europeia que conta com mais chicos-espertos licenciados. Vamo-nos Sancho Panza, que dom Quixote nos esta esperando em terras de la Mancha e de Aragao.

O princial dever do Homem e defender a amizade dos livros.

 Em Portugal reina a anarquia social e moral pela simples razão de ser “ proibido proibir”.

As leis que temos para nada servem porque a  nossa Justiça e do mais baixo que existe no universo.

 

 

 

publicado por luiscatina às 14:36

mais sobre mim
Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


pesquisar
 
blogs SAPO