Agosto 15 2010

BOLETÍM CULTURAL

 CATINA MUNDI 

  Casa México-Aljuriça(Portugal)

( O primeiro Boletim electrónico publicado na Freguesia de Cadima para el Mundo Hispanico )

             

…Para las niñas y  niños de Portugal, México, Costa Rica y Hispanoamérica es esta publicación mensual…

* Porque o mundo me empurrou/ Caí na lama, e então/ Tomei-lhe a cor, mas não sou/ A lama que muitos são. ( A. Aleixo)

“ Há tantos burros mandando/ Em  homens de inteligência/ Que as vezes fico pensando/ Que a burrice e uma ciência “( Antonio Aleixo )

*“Procurando o bem para os nossos semelhantes encontramos o nosso”

           ( Platão )        

 

                          

PUBLICAÇÃO  MENSAL, em  PORTUGUÊS e CASTELHANO,  QUE TEM  COMO  OBJECTIVO A PUBLICAÇÃO DE TRADUÇÕES DE TEXTOS DE AUTORES  PORTUGUESES, CASTELHANOS E LATINO-AMERICANOS, RESENHAS DE PUBLICAÇÕES RECENTES  E PASSADAS E NOTÍCIAS SOBRE EVENTOS CULTURAIS D’AQUÉM E D’ALÉM MAR.  (GANDRASMEXICOCOSTARICA.BLOGS.SAPO.PT)

Presentación

Boletín de periocidad mensual  aparece en septiembre de 2009  como fruto del amor por las letras luso-mexicanas. El objectivo esencial de Casa  México  es coadyuvar  en la promoción y en la difusión de las literaturas clásica y contemporânea.  Dicha publicación llegara a los cuatro rincones del mundo via air mail e  InterNet

 

 

 

 

Catina Mundi recorda Matilde Rosa Araujo( 1921-2010 )

E DITORIAL

 

A NOSSA TELEVISAO DE CADA DIA

Aqui pela pela Praia da Tocha e praias vizinhas, os comentários negativos sobre  a qualidade das transmissões  televisivas , assim como o conteúdo dos programas produzidos diariamente pelas poucas companhias televisoras portuguesas que há, tem sido o tema principal nas mesas de café e de bares entre emigrantes e veraneantes. A nossa gente culta se dá conta que as principais televisoras do nosso pais não tem feito mais do que empobrecer cultural, intelectual e  educativamente ao nosso povinho e à nossa camada jovem.

A TVI e a SIC distraem os nossos filhos com novelas,  um tanto ao quanto eróticas, empobrecendo a bagagem cultural dos homens de amanhã. A RTP 1 e RTP 2 la se vão salvando com concursos, documentários da Natinal Geografhic e o excelente programa intelectual e educativo   “ Camara Clara “ . A SIC e a TVI não se esmeram por por tirar da casaca programas interessantes em conteúdos  culturais e educativos. Todo o tempo de programação se esfuma em programas  de vazio intelectual, muitos, de índole musical, copiados das televisoras espanholas e outras.

Nota-se, sem duvida, nestes tempos ruidosos um reflexo de crise da televisão e do jornalismo nacional. E o políticos de São Bento até gostam que o nosso povinho se alimente de novelas e programas sobre amoricos, enredos, intriguices, coscubilhices e brejices. É uma televisão atamancada que queremos? As televisoras mexicanas, chilenas, costarricenses têm uma ampla  produção de programas  culturais e educativos  para toda a classe de público. Em Portugal já e mais que hora  que as televisoras  lusas  cumpram  com a real função de educar, de fazer da nossa gente uma sociedade mais culta e mais intelectual.

Portugal continua a ser o Pais mais atrasado da Uniao Europeia. Até em televisâo!

 

O VINHO

“ O vinho molha e tempera,

   Acalma as preocupações da mente…

   Reaviva as nossas  alegrias e e óleo

    Para a chama da vida que se apaga.

    Se beber moderadamente em pequenos

    Goles de cada vez , o vinho gotejara

    Nos pulmões como o mais doce

    Orvalho da manha…

    Assim, então o vinho não viola a razão.

    Mas sim convida gentilmente a uma agradável alegria.”

                                Socrates ( 470-399 a. C. )

 

Alexandre Herculano ( 1810-1877 )

Homem de H grande

Homem de palavra dura

Homem de cultura cosmopolita

Politico, escritor, livre-pensador

 UM HUMANISTA!

 

O mês de Agosto e a cultura Popular Portuguesa ( romarias, arraiais, festivais de folclore, festas profano-religiosas )

 

Agosto é o mês rei das festas e das romarias. O Alto Minho destaca-se pela romaria da Senhora da Agonia ( a Santa salvadora dos pescadores ) e pelas festas de Santo Bartolomeu. Pedro Homem de Mello ( poeta e ensaísta ) diz no sua volumosa obra “ Danças de Portugal “que a Romaria da Senhora da Agonia e a romaria mais linda de Portugal. Beatriz Costa deu muitas voltas ao mundo para visitar museus e cidades históricas, e Viana do Castelo e a Romaria da Agonia reafirma nos seus livros o pensamento do folclorista portuense. De 20 a 22 de Agosto Viana do Castelo está em festa!

 

El   Estiércol Del Diablo 

Joaquín Montezuma de Carvalho, viejo amigo portugués, ha publicado unos artículos en el Correio de Mantía, de Lisboa, sobre El Dorado, desde el punto de vista portugués. Ahí, el oro está en el aire. Es un polvo solar. No el estiércol del diablo. Como no mencionó una sola vez a Colón con elogios en Los Lusiadas. En el fondo, fue una crítica. Por qué? América irrumpe en la cabeza de Colón como un delirio aurífero , dice Montezuma. Y está en lo cierto. El Dorado es una invención y el inventor fue Colón. No hay sino que leer las primeras páginas de su diario. Desde el 13 de octubre en adelante lo que está tratando de descubrir es el oro, las fuentes de oro, el oro de Marco Polo. En unas islas donde no lo había. Apenas lo llevan colgando como un moco, de la nariz, contados indios. A cada moco que encuentra, lo subraya en el diario con una nota de júbilo. De ahí en adelante no es solo él: son todos, españoles y no españoles, quienes se mueven en busca de... El Dorado. Los indios, ya en San

Camoens, al no decir palabra en loa de Colón, no hace sino desplegar la bandera verde que tuvieron por delante los portugueses al emprender su imperio en Sur América, en oposición a la de oro que ideaba Colón en el Caribe. A Portugal le tocó en suerte una mancha verde... y verde que te quiero verde. Hasta hoy. Montezuma explica el otro Dorado, el de los bosques de canela y nuez moscada, con unas reflexiones de cocina que también son pertinentes en la primera parte de la historia de América. Las Indias Orientales, o las indias de Vasco de Gama, están señaladas por un apetito condimentado de especias. La cocina exigía condimentos. Los estómagos europeos imponían un arte culinario. Estaban hartos de cabritos asados. El Oriente nuestro no crió El Dorado. Nuestra estampa en busca del oro no estuvo en el programa de los Lusiadas .

El oro era el estiércol del diablo. Vespucci llegó al Brasil y quedó maravillado al ver que no le daban ningún valor. Recogió con entusiasmo esta noticia Tomás Moro en la Utopía y de ahí nacieron el socialismo... y hasta lo de las bacinillas de oro. Así es como se piensa que el destino de las naves portuguesas no está en ir en busca de los rincones fétidos donde el diablo esconde como un gato su estiércol, sino yendo hacia las islas de los bosques de canela.. y alcanfor y sándalo y nuez moscada y áloe, para asar cabritos con algo más que cilantro y perejil.

Nota: cópia de artigo  de autoria do historiador colombiano Germán Arciniegas, grande amigo do saudoso articulista conimbricense Joaquim Montezuma de Carvalho, publicado no Diário El Tiempo de Bogotá-Colombia em Setembro de 1981.

Carta de Joaquim de Montezuma a Luis de Jesus, nesse tempo com residência em Santa Ana, Costa Rica.

Lisboa,22 de Julho de 1992.

Luis de Jesus:

O famoso Germán Arciniegas escreveu este artigo e que amplamente circulou pela imprensa sul-americana.

O nosso embaixador em Bogotá, Dr. António Pinto é meu velho amigo.. Fomos condiscípulos. Se o meu amigo for à Colombia, apareça pela nossa Embaixada.

Seu amigo J. Montezuma.

Nota: Do saudoso e querido amigo Montezuma de Carvalho guardo centenas de copias de artigos, cartas, gravuras e livros.

Expedições Marítimas pelas costas da Califonia-México 

Juan Fernandez Cabrillo ( João Fernandes Cabrilho, Navegante natural de Montalegre )

La primera expedición marítima debidamente documentada, que llegó a las costas de la Alta California fue comandada por Juan Rodríguez Cabrillo. Cabrillo era un genuino "conquistador". Formaba parte de la expedición de Pánfilo de Narvaez que el gobernador de Cuba, Diego de Velazquez envió a México con el fin de someter a Cortés. Gracias a las informaciones de los
aztecas, transmitidas a través del propio Moctezuma, pudo Cortés emboscar a esta fuerza que venía a someterlo y luego de capturar a los expedicionarios, les dio la oportunidad de unirse a la conquista de México. Podemos suponer entonces que Cabrillo fue uno de aquellos que sobrevivió la Noche Triste y fue a refugiarse en Tlaxcala.

Cabrillo, que hasta ese momento había actuado como ballestero y soldado de caballería, demostró ser navegante y marino, construyendo los pequeños bergantines que utilizó Cortés en la batalla final contra Tenochtitlán.

Terminada la conquista del valle de México, Cabrillo siguió a Guatemala tras Pedro de Alvarado y tomó parte en la fundación de la ciudad firmando "Juan Rodz." Después de un viaje a España donde contrajo matrimonio, Cabrillo volvió a Guatemala y según Bernal Diaz "era una persona honorable que era capitán y almirante de trece bajeles bajo Pedro Alvarado".

Parece que fue Cabrillo quien envió uno de estos pataches al golfo de California al mando de Francisco de Alarcón. Batallando las fuertes mareas y la corriente del río se internó en botes abiertos por el río Colorado por "85 leguas" lo que lo pondría más arriba que la actual Yuma, en realidad sólo 50 millas a vuelo de pájaro. Las cartas que dejó enterradas bajo una cruz fueron recogidas por una expedición terrestre al mando de Melchor Díaz que se había separado de Coronado.

Esta flotilla de Alvarado pasó bajo el control del Virrey, Antonio de Mendoza quien dividió la flota enviando algunas naves a Manila, otras en expediciones cortas al Golfo de California y por último envió a Cabrillo con dos naves el San Salvador y Victoria hacia el Norte. Cabrillo zarpó de Navidad en el actual estado de Colima el 27 de junio de 1542. Como apunta un historiador norteamericano, este era un viaje de reconocimiento, sin mayor preparación que la que demandaban el estado de los bajeles.(3)

El 28 de septiembre de 1542, después de un cuidadoso viaje a lo largo de la costa de Baja California, entraba con sus dos naves en el actual puerto de San Diego al que llamó San Miguel. Después de algunos días en la bahía, siguió viaje al norte y mientras se encontraba en tierra en la isla de La Posesión, hoy San Miguel, frente a Santa Barbara, sufrió una caída accidental en las rocas lo que le ocasionó una fractura compuesta en un brazo. No por eso cejó el intrépido portugués en sus esfuerzos. Guió sus dos naves hacia el norte y avistó un promontorio que llamó Cabo de la Mala Fortuna, hoy Mendocino. Habían pasado frente al puerto de San Francisco sin descubrirlo. Azotado el convoy por fuertes tempestades debió volver al sur buscando otra vez refugio en la Isla de la Posesión. Allí falleció Cabrillo, víctima de gangrena. Fue enterrado cerca de un manantial de agua fresca sin que se conozca hoy su tumba. Tomó el mando de la expedición Bartolomé Ferrelo que luchó hasta donde pudo contra un crudísimo invierno antes de volver a México. Tan triste resultado convenció a la corona que al norte de México no existían naciones ricas ni pasajes navegables entre los dos océanos, únicas metas que llevaba la exploración.

Se acostumbraba entonces en mantener en secreto los derrroteros, las narraciones, diarios y mapas de los descubrimientos. La corona temía, y con justificada razón, que los ingleses, portugueses u holandeses se aprovecharan de sus esfuerzos. Así sucedió con los escritos de la exploración de Cabrillo y 60 años después de su muerte, una nueva expedición al mando de Sebastián Vizcaíno seguiría el mismo derrotero, levantando mapas más definidos y cambiando los nombres, de manera que los descubrimientos de Cabrillo fueron prácticamente ignorados.

 

 

 

 

Oração da paz - Oração de S. Francisco de Assis 



Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz;
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvidas, que eu leve a fé;
Onde houver erros, que eu leve a verdade;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, fazei com que eu procure mais consolar,
que ser consolado;
Compreender, que ser compreendido;
Amar, que ser amado;
Pois é dando que se recebe;
É perdoando, que se é perdoado;
E é morrendo que se vive para a vida eterna.

 

Escritor Sergio Ramírez no ve "ninguna luz para Nicaragua"

Manuela Astasio

Zacatecas (México), 17 jul (EFE).- El escritor y ex vicepresidente nicaragüense Sergio Ramírez declaró hoy que percibe como "muy oscuro" el panorama de su país, donde las pretensiones del sandinista Daniel Ortega de ser reelegido han desatado una crisis institucional.

"No veo ninguna luz para Nicaragua. La oposición se encuentra desarticulada y asediada por un Gobierno que busca comprar votos en la Asamblea Nacional para la reforma que permita la reelección continua de Ortega", explicó Ramírez en una entrevista con Efe en Zacatecas, ciudad mexicana que visita con motivo del Hay Festival.

Ramírez detecta una gran desconfianza de sus conciudadanos en los partidos de su país, que ha llevado a la sociedad a "una especie de crisis moral", ante la certeza de que tantos políticos son "comprables" y de que las instituciones están "totalmente controladas" por el sandinismo.

El pasado octubre, magistrados sandinistas de la Corte Suprema de Justicia declararon, en una sesión celebrada sin los liberales y con sustitutos, que el artículo de la Constitución que limita a dos el número de mandatos de un presidente es inaplicable.

Decisiones como ésa, relató Ramírez, ya permiten la reelección de Ortega, pero el líder sandinista "pretende que sea la propia Asamblea Nacional la que bendiga" su nuevo nombramiento, y "no piensa reparar en ningún obstáculo jurídico o político que se lo impida".

La sociedad nicaragüense asiste a estos acontecimientos con "un criterio pasivo".

"La gente quisiera un cambio, pero no ve cómo articularlo", indicó Ramírez, que fue vicepresidente del gobierno de Daniel Ortega (1979-1990) tras la caída del dictador Anastasio Somoza.

Ya no habría circunstancias en el mundo, añadió, capaces de sacarlo de la escritura e integrarlo a la política orgánica, como sucedió entonces.

Ramírez es autor de, entre otros títulos, "Charles Atlas también muere", "Un baile de máscaras" y "Margarita, está linda la mar", ésta última Premio Internacional de Novela Alfaguara en 1998.

Su participación en la vida pública de Nicaragua, contó, se debió a un contexto concreto, porque, para él, "la historia es como un caleidoscopio: cada momento es irrepetible".

Ramírez, cuya vocación primera fue la de narrador de cuentos, se convirtió casi sin quererlo en "un pedacito" del caleidoscopio que conformaba la Nicaragua de finales de los setenta. De no haberse producido la Revolución, analizó, nunca le habría preocupado formar parte de la vida política.

Pero, como dijo, las revoluciones son fenómenos que inmiscuyen a todo el mundo, aunque él las considere actos casi exclusivamente juveniles.

"Un viejo que se pretenda revolucionario no cuadra. Además, son asuntos generacionales y no se debe entorpecer el espacio que tiene que ser ocupado por los jóvenes", comentó.

Salvo el mal recuerdo del golpe de Estado que se produjo en Honduras en 2009 contra el presidente Manuel Zelaya, Ramírez opina que los cañonazos ya no ejercen, como lo hicieron en su momento, de trasfondo de la literatura centroamericana y de toda Latinoamérica.

En su lugar lo hacen "el narcotráfico, que asfixia a Centroamérica entre México y Colombia, las migraciones forzadas a Estados Unidos y el tráfico de seres humanos". La narrativa de su región mira, a su juicio, a las fronteras, donde se producen "tantos asuntos clandestinos".

Ramírez no piensa que las novelas tengan que ocuparse exclusivamente de su contexto histórico, pero no considera que en Latinoamérica "haya otra forma posible de tratar la literatura".

Él mismo, pese a su retiro de la política, se siente obligado, "como cualquier literato", a un espacio de conciencia crítica. "Uno puede ser un gran escritor con los ojos cerrados, pero siempre tienes que mirar por la ventana para ver lo que está pasando", apuntó.

Nota: Sergio Ramirez  é escritor, professor universitario, articulista. É o intelectual nicaragüense que mais ataca o governo de Daniel Ortega na imprensa internacional.

 

O futuro, nos dois lados do Rio Grande

Há um presságio de melhor entendimento entre México e EUA, na violenta fronteira que separa o grande cartel da droga e o império dar armas, diz o escritor e diretor da revista cultural 'Letras Libres', Enrique Krauze

Laura Greenhalgh - O Estado de S.Paulo

"Enquanto carregamos o peso da responsabilidade sobre nossos problemas, a caricatura do México propagada nos Estados Unidos só aumenta o desespero nos dois lados do Rio Grande. É algo profundamente hipócrita." Com palavras afiadas e emotivas, o historiador mexicano Enrique Krauze, 62 anos, referiu-se à visita da secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, a seu país. E o fez terça-feira, dia 24, véspera da chegada da representante americana, em artigo publicado no The New York Times e reproduzido pelo Estado. Em certas passagens, o artigo ganhou a voltagem do desabafo. Krauze disparou contra as cenas de violência que se propagam na mídia internacional mostrando a matança entre traficantes e policiais mexicanos, inclusive assassinatos com requintes de crueldade. "Querem fazer com que a opinião pública pense que somos um Estado falido. Não somos. Os Estados Unidos são os maiores consumidores de drogas no mundo e os grandes fornecedores de armas para a guerra dos cartéis mexicanos. A administração Obama daria uma grande ajuda se assumisse a responsabilidade de seu país nesta situação."

    

 

 

Na quarta-feira, Hillary desembarcou na cidade do México com um discurso completamente afinado com o artigo de Krauze. Assumiu o envolvimento americano no consumo de drogas e apontou o dedo para o poderoso lobby das armas nos EUA, que garante o poder de fogo dos cartéis mexicanos. Foi nesse momento que o caderno Aliás solicitou a entrevista que se segue com o historiador. Vale dizer que já o encontrou em outro estado de ânimo, elogiando até os encantos da secretária Clinton, "que nos conquistou com sua simpatia". Mas a cautela logo voltaria a presidir a conversa: para Krauze, a visita pode ser entendida, no limite, apenas como "presságio" de uma nova relação entre México e Estados Unidos. Diz que o vizinho poderoso tem agora a oportunidade de tratar melhor a América Latina, acredita que a democracia americana funciona internamente, mas é míope quando se volta para o mundo, e chega a dizer que as listas dos mais ricos da Forbes, que agora inclui um traficante mexicano, além de cínica e frívola, tornou-se algo racista.

Neto e filho de imigrantes europeus, Enrique Krauze graduou-se no México e, anos mais tarde, chegou a lecionar na Universidade Oxford, na Inglaterra. Foi durante duas décadas coeditor da revista literária Vuelta, ao lado do escritor e Nobel de Literatura Octavio Paz. Autor de vários livros, recentemente lançou El Poder y el Delirio (Tusquets, 2008) sobre o presidente venezuelano Hugo Chávez. Também ensaísta, não recusa uma boa polêmica. Como em 2006, quando desancou o candidato presidencial Andrés Manuel López Obrador, do Partido da Revolução Democrática, o PRD, por não aceitar a vitória (por margem estreita, diga-se) do atual presidente, Felipe Calderón, do Partido Ação Nacional, o PAN. Para Krauze, López Obrador é um sequestrador da democracia mexicana, Chávez, um edipiano obcecado pela ideia de heroísmo, o subcomandante Marcos, um romântico que não soube aproveitar o momento de despir a máscara do guerrilheiro para se transformar num bom político de oposição, e Lula, a única voz que pode moderar os governos esquerdistas na América Latina. Fechando o raciocínio, toma da régua e do esquadro. Enrique Krauze acredita piamente num triângulo constituído por Brasil, México e Estados Unidos, capaz de mudar a geopolítica de um mundo atormentado por panes no sistema capitalista.

Como o senhor interpreta as declarações da secretária de Estado Hillary Clinton em seu país, uma espécie de mea-culpa dos Estados Unidos na expansão e na violência do narcotráfico?
Declarações duras, porém valentes. São como o presságio de uma nova relação dos Estados Unidos não só com o México, mas com toda a vizinhança. Já era tempo de sentirmos algum benefício desse tão falado soft power da administração Obama. Historicamente, os EUA sempre se portaram bem com a Europa e mal com a América Latina. Esta é a primeira vez em que o governo americano, por meio do seu Departamento de Estado, assume publicamente a responsabilidade do país como consumidor de drogas e provedor de armas. Algo inédito, com reflexos na América Latina inteira.

Mas o papel americano no narcotráfico já era sabido havia muito tempo.
Só que as falas de Hillary foram marcantes. Perceba que as mudanças da política externa dos EUA dependem muito do que está se passando na política interna. Dependem dos interesses locais, dos jogos do Congresso. Porém, tendo a acreditar que haja uma nova postura em campo. Essa questão das armas é um capítulo muito complexo. Mexer com isso significa mexer com aquele famoso artigo constitucional que permite ao cidadão americano se armar livremente. Claro que se pode ter uma legislação mais dura com relação a armamento de alto poder. Ou uma fiscalização rigorosa em torno do dinheiro que vem do comércio ilegal de armas. E nem é uma coisa difícil. Lembrando Agatha Christie, para chegar à verdade, follow the money. Então por que ainda não fizeram isso? Esse é o tipo de pergunta que se coloca neste momento.

O que terá motivado essa mudança de postura dos EUA no que diz respeito ao narcotráfico no México?
Não existe um turning point, tudo faz parte de um processo. Veja bem, não estou dizendo que já estamos vivendo um câmbio profundo na relação entre os dois países, mas, isso sim, vivemos um presságio de mudanças. Com a chegada de Obama à Casa Branca, há um espírito renovado em Washington, atitudes novas aparecem e isso ficou muito claro esta semana com a visita de Hillary, com seu discurso sincero, sua inteligência, seu encanto pessoal que despertou muitas simpatias por aqui. Foi algo forte. No entanto, há sempre uma distância imponderável entre o que se diz e o que se faz. Sei que o controle das armas é um processo longo, complicado, mas não dá para não fazer nada, compreende? Como também não é possível aceitar essa propaganda negativa contra o México, tentando rotulá-lo como um "Estado falido". Se fosse assim, os EUA de Al Capone, nos anos 30, seriam também um Estado falido, ingovernável, inviável.

Hillary também criticou o muro de fronteira com o México, que os EUA estão construindo.
Esse muro é um emblema de hostilidade que ofende profundamente os mexicanos. A construção tem que parar logo e o dinheiro gasto nesse tipo de coisa deveria ser canalizado para o combate frontal ao narcotráfico.

Diante dessa troca perversa de "mercadorias" que se vê no México - saem drogas, entram armas - os EUA parecem compelidos a mexer no lobby talvez mais poderoso do país, o das armas. Haverá coragem política para tanto?
O lobby da Associação Nacional de Rifle é de um poder extraordinário! Mas tem que mexer nisso. No meio dessa tremenda crise econômica global, os países estão mexendo em coisas impensáveis, não estão? Então por que os EUA não podem conter o contrabando de armas? Além do mais, é preciso recuperar o tempo perdido. Nos anos Bush, o governo americano simplesmente lavou as mãos em relação ao problema. Bush estava tão obcecado com seu combate ao terrorismo e sua guerra no Iraque que nada fez. E foi justamente um tempo em que duas coisas infernais, o cartel da droga e o lobby das armas, deram-se as mãos. Seria maravilhoso que os EUA se dessem conta de que podem fazer muito para melhorar a vida no continente latino-americano. Existe até um clima de concórdia na região e, o que é decisivo, um triângulo geopolítico muito importante formado por Brasil, México e EUA. Esses três países, juntos numa convergência inteligente, têm como resolver inúmeros problemas. Por exemplo, poderão ajudar Cuba a fazer o trânsito para uma situação de normalidade política e econômica e, sobretudo, poderão neutralizar o irredutível caudilho messiânico que governa a Venezuela.

O senhor acredita que exista esse clima de concórdia com os EUA na América Latina, diante da multiplicação dos governos de esquerda na região?
Acredito que sim. E o papel que vem jogando o presidente Lula é central. Ele não embarcou na onda populista e o Brasil segue na trilha de uma social-democracia. O Brasil tem cacife para moderar todas essas tendências esquerdistas que, no fundo, são ainda resultantes das relações de clientelismo. Só que o clientelismo não dará conta dos graves problemas econômicos que vêm por aí e a Venezuela de Chávez logo vai mergulhar numa crise imensa.

Voltando ao narcotráfico, houve cerca de 7 mil mortes em seu país desde janeiro de 2008 relacionadas à violência que permeia o mundo dos cartéis e a repressão policial. Além do número expressivo, algumas dessas mortes tiveram requintes de extrema crueldade. O que está acontecendo, afinal?
A maior parte das mortes aconteceu na região norte de Ciudad Juárez. O México tem mais de 2.500 municípios e metade dessas mortes ocorreram em 11 dessas prefeituras. Ou seja, o problema é localizado. Na verdade, há duas cidades mexicanas extremamente violentas: Juárez e Tijuana, ambas na zona de fronteira com os EUA. Juárez está próxima do Texas, Tijuana próxima da Baixa Califórnia. São mortes de gente que serve ao narco e de gente da polícia, pois há um confronto aberto entre esses dois setores. E ainda há mortes de gente do governo e mortes na população civil. Mas em número menor. Então, houve de fato muitos assassinatos numa região específica, porém, no cômputo geral, essa mortalidade ainda está abaixo de índices encontrados em outros países latino-americanos. Temos hoje o mesmo número de assassinatos que os EUA tinham no princípio dos anos 90. Mas você me pergunta o que está havendo. Pois bem, há uma tremenda espetacularização dessas mortes. Depois do 11 de setembro de 2001, passamos a ver pela internet cenas absurdas, como a decapitação de Daniel Pearl (jornalista americano raptado, degolado e esquartejado por terroristas no Paquistão, em 2002). Isso foi algo terrível, com importância capital no "império da imagem". O narcotráfico entendeu esse fenômeno e alguns jornais mexicanos, infelizmente, embarcaram na sanha de dar publicidade às mortes violentas. Essas atrocidades semeiam um clima de medo e desânimo na população.

E os narcotraficantes sentem-se mais fortes.
Sentem-se vitoriosos. Tenho pensado que tanto a guerrilha quanto o narcotráfico sabem que precisam vencer a batalha da informação na mídia e a guerra psicológica junto à população. Estampar manchetes nas primeiras páginas dos jornais, propagar fotos em que as vítimas são "justiçadas", destroçadas, isso tudo gera um horror tremendo, e é o que o narco quer. Eu só posso admirar o presidente Álvaro Uribe, da Colômbia, um homem que nunca desanimou. Uribe formou um Exército extremamente profissionalizado e, com apoio americano, mudou a equação de ânimos da população em relação ao narcotráfico. Isso é fato.

É fato também que o chamado Plano Colômbia, que batiza a cooperação tecno-militar para desbaratar o narcotráfico, acabou também desbaratando a guerrilha das Farc. O senhor acha que vem aí um Plano México?
Para ser sincero, gostaria que sim. Os EUA devem compreender que precisam ajudar o México, como ajudaram a Colômbia, e o México precisa aceitar essa ajuda. Antigas pulsões devem ser superadas em favor de um novo entendimento, superando visões dogmáticas e discursos nacionalistas.

Já começam as reclamações sobre a possibilidade de envio de tropas americanas para fronteira com o México. Se isso acontecer, o abalo será profundo entre os imigrantes mexicanos, não?
Essas medidas assustam, mas, mesmo com a crise nos EUA, em que os empregos para imigrantes estão sendo eliminados, ainda assim acredito que os mexicanos tentarão ficar por lá, resistindo bravamente feito gatos boca arriba, como se diz aqui. O mexicano é um povo estóico, historicamente isso se comprova. Vai suportar esse período duro e manter-se nos interstícios da sociedade americana. Fala-se em migração de retorno, mexicanos que estariam voltando para casa. Existe isso, mas está longe de ser um fluxo expressivo.

Como a oposição ao governo Felipe Calderón vê as novas possibilidades de cooperação entre México e Estados Unidos?
O México é uma democracia jovem. A luta entre os partidos, para eles próprios, torna-se prioritária, portanto não existe uma solidariedade política que permita um enfrentamento do problema das drogas. Os oposicionistas temem que uma eventual solidariedade se traduza em votos para Calderón. O debate está muito politizado, infelizmente. E o presidente mexicano está só nessa empreitada. Só, em termos de articulação política, ainda que a população o entenda e o apoie no combate aos cartéis. Calderón, dizem as últimas pesquisas, está com mais de 60% de apoio popular. Ele soube transmitir a ideia de que esta é uma guerra a ser levada a sério, mas não soube transmitir um sentimento de confiança ao povo.

O oposicionista López Obrador continua contestando a presidência de Calderón?
Sem dúvida. Na minha opinião, ele é o grande sequestrador da democracia mexicana. Se chegar ao poder, torna-se uma cópia revisada do "comandante Hugo Chávez". Sim, Obrador continua muito ativo e convicto de seu projeto maior, a presidência em 2012. Mas ele é apenas um fator contra Calderón. Considere também os movimento do Partido Revolucionário Institucional, o PRI, que está se fortalecendo e pode se sair muito bem nas próximas eleições legislativas. Eu diria que o gabinete de Calderón e gente do seu partido, o PAN, andam perplexos diante da retomada priista. Perplexos e debilitados.

O ingresso formal do México no Nafta completou 15 anos este ano. Que balanço o senhor faz desse tempo em que seu país olhou mais para os EUA do que para a América Latina?
Sim, é verdade, estivemos muito voltados para os EUA nesse tempo, o que é até compreensível, mas de um tempo para cá estamos, digamos, buscando nossa zona natural de alianças. Não dá para dizer que o tratado de livre comércio foi ruim para o México. Eu diria que trouxe benefícios aos dois países. No nosso caso, houve uma modernização da economia, deixamos de ser tão dependentes do petróleo, ganhamos espaço no mercado exterior. Os números estão aí e são irrefutáveis. Agora o tempo é outro. De maneira geral, vejo bons prognósticos para os países da América Latina, com uma exceção: Venezuela. Acabo de publicar um livro no México, El Poder y el Delirio, sobre Hugo Chávez, que já está circulando pelos países vizinhos e espero que em breve ganhe tradução para o português. Ao fazer esse trabalho me convenci de que é possível formar um bloco importante na região, um bloco liderado por democracias já mais maduras, com alianças produtivas. Mas a Venezuela complica as coisas.

O senhor realmente acredita que Hugo Chávez seja uma ameaça?
Eu acredito nisso. Creio de verdade e sinceramente. Trata-se de um homem obcecado pela ideia do heroísmo, com uma identificação maníaca com Simon Bolívar e Fidel Castro. Vejo nitidamente uma relação edipiana e doentia: o filho que quer matar o "pai Bolívar" e o "pai Castro" para tomar para si todo poder e todo heroísmo. É terrível.

Um problema sério do México, diz o senhor, é a falta de participação cívica da população no combate ao narco. Por que isso acontece?
A sociedade mexicana só agora está acordando para a gravidade da situação ao assistir às prisões de alguns chefões do narco. E essas prisões só estão ocorrendo porque as autoridades recebem, do cidadão comum, informações anônimas sobre os criminosos. O que é bom sinal. Mas ainda há um longo caminho a percorrer até que se entenda que a guerra contra as drogas deve ser decisão da sociedade como um todo, e não só de um governo.

O encolhimento da guerrilha zapatista, que mobilizou setores da sociedade civil mexicana, faz parte desse quadro de apatia social?
A guerrilha nunca foi um movimento forte, nunca teve ressonância social autêntica, nunca demonstrou competência e jamais se assemelhou a outros movimentos armados na América Latina. Aqueles movimentos, sabemos bem, tinham filiação ideológica com Cuba. Só que o México sempre manteve uma relação boa com Cuba. Então, qualquer grupo que venha invocar aquela mesma lógica de confronto dos tempos da Guerra Fria, pelo menos aqui, no México, vai soar como coisa velha. O subcomandante Marcos é um homem de 52 anos, já está crescidinho para sair por aí como guerrilheiro romântico... Marcos perdeu o grande momento para, de guerrilheiro mascarado, transformar-se em um bom político de esquerda. Teria sido genial. Quem sabe ele não iria tão longe quanto o presidente brasileiro? Lula, que nunca precisou ser guerrilheiro, soube escolher o caminho correto para chegar ao topo.

Dias atrás a mídia internacional noticiou com alarde a prisão de Héctor Huerta, um dos chefões do narcotráfico no México. Ele foi exibido como um troféu de caça. Ao mesmo tempo, a revista Forbes relacionou entre os homens mais ricos do mundo outro narcotraficante mexicano, Joaquín Guzmán, ?El Chapo?. Lista que por sinal tem entre os primeiros colocados outro mexicano, o empresário Carlos Slim. Esses sinais cruzados confundem a imagem que se tem do seu país?
Se existisse nos anos 30, a lista da Forbes deveria incluir Al Capone, não? Essa lista tem sido de um cinismo hipócrita... É uma irresponsabilidade editorial que agora passou a ter conotações um tanto racistas. Sou contrário a essa cultura norte-americana dos estereótipos: bem, está na hora de colocar um narcotraficante na lista dos mais ricos. Há uma onda agora de rotular o México como "Estado falido", dominado pelo crime organizado. Não somos isso! Há problemas, queremos debatê-los, como estou fazendo com você agora, e não queremos cair em estereotipias. Temos uma sociedade culturalmente rica, diversa, temos nossas tradições, nossas instituições, nossos intelectuais... Saiba que a democracia americana, sendo muito rica internamente, sempre parece míope ao olhar para fora. Os americanos utilizam para os outros certos critérios racistas que não aplicam a si mesmos.

O senhor parece em campanha contra uma propaganda negativa que se faz do México.
Sou um historiador e dediquei minha a vida a publicações culturais, como a revista que dirigi junto com Octavio Paz por tantos anos. Portanto, sei que o México é um país profundo, denso, rico, não merece julgamentos frívolos. Tanto o governo quanto a diplomacia mexicana precisam defender nosso patrimônio cultural. E, nesse ponto, conta também o lado pessoal: este país acolheu, nos anos 30, meus avós e meus pais, gente que fugia de perseguições na Europa. Aqui eles chegaram, aqui estamos hoje. A gratidão que sinto pelo México estará comigo até o último dia da minha vida.

Nota: o HISTORIADOR MEXICANO Enrique Krauze é  Director da Revista de Literatura  LETRAS LIBRES

 

 

 

 

 

MUNDO EM CHAMAS

Desde as cinzas da Grande Guerra de 1914 que nações contra nações , sacrifícios inúteis, intelectuais desterrados para as estepes siberianas, holocaustos, repressão e terror, as poderosas armas químicas ameaçando transformar o Planeta num deserto atómico, tudo é de esperar neste século de fogo cruzado e calamidades naturais.

A cinza pode ser uma advertência  divina para lembrar ao Homem que pó é e pó será: e o pó é nada de nada.

Vale a pena tanto egoísmo e tanta velhaquice por nada?

 

 

 

Problema da fome “é difícil de resolver numa sociedade economicista”

Um problema, muitas perspectivas

Padre Jardim Moreira e botânico Jorge Paiva preocupados com a ‘crise dos cereais’


O que têm em comum um padre que tomou como sua a missão de mitigar a pobreza de forma estruturada e um investigador botânico, que ainda em Outubro esteve na Figueira a falar sobre plantas bíblicas? A ambos preocupa a calada de preços que a chamada ‘crise dos cereais’ arrasta, com consequências que - alertam - não tardarão a afectar todos os estratos sociais.

O Presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza em Portugal (REAPP) apelou à intervenção do Governo para “pôr cobro” ao aumento dos preços dos bens alimentares que “atinge sobretudo os mais pobres”.
“Tenho famílias no centro da cidade do Porto que dispõem apenas de 13 euros por dia. Famílias com filhos e netos”, frisou o Padre Jardim Moreira em declarações à agência Lusa.
Estes “são dados concretos” que, segundo o presidente da REAPN, “obrigam o Governo a rever as suas actuais políticas”.
O tema do aumento dos bens alimentares essenciais foi tratado numa reunião das Nações Unidas, na Suíça. O Secretário Geral da ONU, Ban Ki-moon, e os dirigentes das 27 agências e organizações das Nações Unidas rumaram a Berna, Suíça, para elaborar um plano de ataque face à crise provocada pelo disparo dos preços dos produtos alimentares, tendo a ONU e o Banco Mundial anunciado que vão criar uma “task-force” para combater a alta sem precedentes dos preços de produtos alimentares em escala mundial.
Entre outras medidas, o Presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, pediu que os países parem de impor restrições às exportações de alimentos como forma de combater a crise.
O Padre Jardim Moreira defendeu, a propósito, que “a economia e a política tem de estar ao serviço da sociedade civil e não o contrário. É preciso tomar consciência da realidade e avançar com soluções”, considerou, acrescentando que “é preciso uma maior solidariedade e equidade na repartição de bens entre ricos e pobres”.
Jardim Moreira frisou ainda que é urgente “encontrar um equilíbrio para a distribuição da riqueza”.
Em seu entender, “enquanto os governos estiverem dependentes do poder económico não serão capazes de resolver os problemas. Muitas vezes só avançam com soluções quando pressionados pelas bases”.
“Há cada vez mais famílias a queixar-se do aumento dos bens essenciais, como o pão, por exemplo, e a situação tem tendência a piorar”, disse.
O responsável admitiu que a escalada dos preços possa originar “tensões sociais” uma vez que “a estabilidade social e política depende da estabilidade dos povos”.
Uma das soluções apontadas por Jardim Moreira passa pelo incentivo à agricultura, no sentido de permitir que “muitas famílias possam auto-sustentar-se”.
“É fundamental aumentar a produção de cereais. Ainda há dias um comerciante me contou que não tinha sementes para vender. É uma situação que eu considero gravíssima e que obriga a medidas imediatas”, frisou o Padre Jardim Moreira.
O Presidente da REAPN admitiu tratar-se “certamente de uma situação comum a vários países”, a pedir uma solução concertada.

Botânico rejeita combustíveis a partir de cereais

O botânico Jorge Paiva já rejeitou a produção de combustíveis a partir dos cereais, por considerar que esta ‘solução’ ameaça a alimentação humana no mundo, admitindo apenas que seja aproveitado o lixo orgânico para fins energéticos.
Jorge Paiva, que em Outubro de 2007 ‘abriu’ o ciclo de Conferências e Palestras dirigidas às escolas do Concelho no Casino Figueira, com uma prelecção sobre “As Plantas Bíblicas e a Bíblia”, foi um dos notáveis que o país quis ouvir a propósito da crise no sector alimentar.
“A produção de biocombustíveis deve ser abandonada”, defendeu o ambientalista, catedrático aposentado da Universidade de Coimbra, e investigador do Instituto Botânico daquela instituição.
Em declarações à agência Lusa, Jorge Paiva disse que os biocombustíveis “não são alternativa ao petróleo”, numa altura em que se verifica um aumento do preço desta fonte energética nos mercados mundiais.
“Os biocombustíveis não vão resolver o problema do aquecimento global, uma vez que libertam na mesma dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera”, adiantou, frisando, por outro lado, que tal opção “é brutalmente prejudicial” para subsistência da Humanidade, ao concorrer com o uso de cereais na alimentação.
Jorge Paiva, que tem denunciado a obtenção de combustíveis a partir do milho e outros cereais, criticou “a sociedade economicista e as grandes companhias mundiais, a quem interessa em especial o lucro”.
As multinacionais que incrementam agora o cultivo de cereais “não estão preocupadas em resolver o problema da fome”, querem antes “ganhar mais dinheiro”, apostando nessas produções agrícolas com fins energéticos.
“Descobriram que é mais barato, talvez, produzir combustíveis a partir de plantas. E, como isso dá lucro, subiram os preços dos alimentos”, lamentou.
Na opinião do investigador, “deve ser abandonada a produção de biocombustíveis” baseada na transformação de cereais, sendo necessário que os Estados tomem medidas para reduzir os gastos de energia.
Jorge Paiva entende, no entanto, que deve ser incentivada a produção de energia através do reaproveitamento de resíduos orgânicos urbanos, agrícolas e florestais.
Por outro lado, disse que os recentes avanços científicos da biotecnologia, anunciados “como solução para a fome no mundo”, têm reforçado sobretudo “os lucros das grandes companhias”.
Admitindo que o problema da fome “é difícil de resolver numa sociedade economicista”, Jorge Paiva preconizou medidas para controlar a natalidade.
“É preciso uma limitação da natalidade. Já não cabemos nesta ‘gaiola global’. Temos a mania que mandamos no mundo, mas o Homem pode entrar em extinção antes de outros animais”, advertiu.

 

 

Nota: Jorge Paiva, reconhecido Investigador Botânico, e  mais  respeitado e comporeendido em terras estranhas que na sua lusitana Pátria. Tem viajado largamente pelos quatro cantos do  mundo; viagens com interesse por actividades culturais e científicas. O Prof. Dr. Jorge Paiva conhece a aldeia de Aljuriça e as nascentes das Fervenças. Sua visita à Gândara  no Inverno de 2002, ficara gravada em reportagem especial no jornal O Independente de Cantanhede. Este investigador botânico e cidadão do mundo tem muitas obras publicadas em várias línguas, e suas obras têm interesse não só para o conhecimento científico mas tambem para os  amigos do ambiente e aprendizes de botânica, como é o caso do autor deste Boletim  Cultural. Este escrito vai ser gravado como singela homenagem  ao bom amigo e ao grande génio da Botânica, Prof. Dr. Jorge Paiva.

 

 

 

 

 

Casa do México e da Costa Rica dá informação cultural e turística sobre México( América do Norte ) e países da América Central.

  Contacto: Luis de Jesus

  Luiscatina@sapo.pt

  Phone: 00351 967022735

 

 

 

 

 

publicado por luiscatina às 12:38

mais sobre mim
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


pesquisar
 
blogs SAPO