Janeiro 02 2011

 

BOLETÍM CULTURAL

 

CATINA MUNDI

 

Boletim de letras, ideias, diálogos e crítica

 

Casa México- Aljuriça (Portugal)

 

Casa de México, casa de la cultura, donde los libros son la verdadera Universidad.

 

(O primeiro Boletim Cultural electrónico publicado em Cadima para o mundo hispano-americano)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

…Para las niñas y  niños de Portugal, México, Costa Rica,  Hispanoamérica e América Portugueza es esta publicación mensual…

 

* As quadras humaníssimas do poeta Aleixo abrem as páginas deste boletim

 

* Porque o mundo me empurrou/ Caí na lama, e então/ Tomei-lhe a cor, mas não sou/ A lama que muitos são.                       ( António Aleixo)

 

“ Há tantos burros mandando/ Em  homens de inteligência/ Que as vezes fico pensando/ Que a burrice e uma ciência “    ( Antonio Aleixo )

 

 

“ Ao refugiar-me nos livros aprendi a fugir do mal sem o experimentar”

 

Camilo C. Branco

 

*“Procurando o bem para os nossos semelhantes encontramos o nosso”

 

Platão

 

 

 

 

 

PUBLICAÇÃO  MENSAL, em  PORTUGUÊS e CASTELHANO,  QUE TEM  COMO  OBJECTIVO A PUBLICAÇÃO DE TRADUÇÕES DE TEXTOS DE AUTORES  PORTUGUESES, CASTELHANOS E LATINO-AMERICANOS, RESENHAS DE PUBLICAÇÕES RECENTES  E PASSADAS E NOTÍCIAS SOBRE EVENTOS CULTURAIS D’AQUÉM E D’ALÉM MAR.  (GANDRASMEXICOCOSTARICA.BLOGS.SAPO.PT)

 

Presentación

 

Boletín de periocidad mensual  aparece en septiembre de 2009  como fruto del amor por las letras luso-mexicanas. El objectivo esencial de Casa  México  es coadyuvar  en la promoción y en la difusión de las literaturas clásica y contemporânea.  Dicha publicación llegara a los cuatro rincones del mundo via air mail e  InterNet

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Catina Mundi recorda Matilde Rosa Araújo, a escritora que revestiu as páginas dos seus livros com perfume de rosas silvestres para as crianças dos quatro cantos do mundo.(1921-2010 )

 

 

 

Nunca é tarde para prestar homenagem a quatro ilustres  e talentosas figuras do nosso País  que deixaram marcas no México. São elas: João RodriguesCabrilho ou Juan Rodriguez Cabrillo, Beatriz Costa, Fidelino de Souza Figueiredo e Joaquim de Carvalho Montezuma

 

 

 

Editorial

VIAJAR COM CARLOS DE OLIVEIRA E MARIO VARGAS LLOSA

 

(  Só um idiota pode ser totalmente feliz ----- M. V. Llosa)

 

A figura de Carlos de Oliveira encontra-se entre as mais ricas e sugerentes que tenha produzido a nossa bucólica Gândara. Ressaltam nela rasgos próprios que a  aparentam com o mundo de ontem e de hoje: variedade  e pressentimentos duma alma inquieta, simples que tende a nadar no mistério , tormento duma consciência reflexiva que cultiva dentro de si os princípios dum gandarismo místico nas origens da identidade da Gândara litoral.

A poesia neo-realista de Carlos de Oliveira não se baseia em abstrações , mas sim no contacto físico com a dura miséria  e a escrava vida nos diversos afazeres do campo num Portugal mergulhado no medo e no ostracismo político.

Trinta anos passam depois da ausência terrenal deste vulto das letras gandaresas. E nestes anos todos somente um escritor português, com dupla nacionalidade; e bom recordar isso, conseguiu receber o Nobel de Literatura. Se considerarmos em  conjunto a produção literária de Carlos de Oliveira, podemos sonhar claramente que se o poeta gandarez  estivesse presente no mundo dos vivos, teria, talvez, ganho o Nobel de Literatura? Assim seriam dois portugueses a tê-lo recebido em Estocolmo, capital Real da Suécia.

No passado 7 de Outubro, Mario Vargas Llosa, fez vibrar a peruanos e latino-americanos, ao ser premiado pelas suas novelas históricas e biográficas de personagens da política. Mario Vargas Llosa junta-se aos cinco  vultos da literatura ibero-americana que receberam o prémio, são eles: Gabriela Mistral, Pablo  Neruda, Gabriel  Garcia Marquez, e Miguel Angel  Astúrias e Octávio Paz. Uma grande pena que Jorge Luís Borges e Carlos Fuentes não tenham sido reconhecidos  por Oslo, cujas aspirações ficaram pelo caminho da esperança  encerradas em utopias de uma modernidade que publica  sem controlo e lê a migalhas.

Andamos de aventuras por terras peruanas no ano de 2001, e tivemos a oportunidade de viver na alma a extrema  miséria em que vivem  ¾ da população, gente triste, carrancuda, sem esperança de conseguir um futuro airoso. Lima e um caos. Em Portugal são mais bem  cuidados e alimentados cães  e galinhas que as massas humanas que vivem nos infernais bairros da capital peruana. Cremos que o premio e um reconhecimento a uma identidade mestiça peruana e aos povos ameríndios que vivem num mundo a parte com um estilo de vida muito primitivo, onde o dinheiro não faz falta nenhuma. Os ameríndios somente precisam de três coisas essenciais para viverem  uma vida feliz:  palhota, mulher e ar puro. A Pachamama “ a Mãe Terra” da gratuitamente os alimentos.

Mario Vargas Llosa não nasceu em Lima, veio ao mundo numa fria manha de  28 de Março de 1936  na pequena cidade andina de  Arequipa. Arequipa já não e o que era : a provinciana cidade andina transformou-se numa celebridade turística onde  chegam turistas do mundo inteiro para conhecer e fotografar a rústica casa onde nascera e vivera  o grande vulto das letras peruanas.

Seja porem dito que o premio e merecidíssimo, visto que Mario Vargas Llosa nunca perdera as ilusões de um dia  ser o escolhido e o galardoado entre tantíssimos grandes escritores e poetas dessa América   Hispânica, possuidora de uma espiritualidade mística muito própria.

•  Mario Vargas Llosa , Escritor, poeta,ensaísta, jornalista e politico, e autor de uma vasta obra sobre os tiranos que lideraram e lideram os governos latino-americanos.

 

 

 

Jacobo Zabludovsky ( Decano dos jornalistas mexicanos )

* Lincenciado Jacobo Jablusdovsky com Sara Garcia e Mario Moreno Cantinflas ( anos 60 na Cidade do México )

 

 

Cultura y periodismo

 

 

(Fragmento del discurso pronunciado en la Universidad de Oviedo el 8 de octubre, al recibir el premio Internacional de trayectoria profesional, otorgado por la Asociación Interamericana de la Comunicación y la Universidad de Oviedo, Principado de Asturias, España)

 

Es un gran honor para mí encontrarme en la casa de la Universidad de Oviedo, cuatro veces centenaria, comprometida desde su vocación original a la defensa de los valores de la cultura, de la investigación y de la inteligencia. Egresado de otra institución similar, igualmente antigua y respetada, la Universidad Nacional Autónoma de México, no me son ajenos los recintos consagrados a las disciplinas humanísticas o técnicas. A lo largo de mi vida profesional he procurado acercar el ejercicio periodístico a los programas de la educación superior, en búsqueda de apoyo recíproco constante.

Esa razón me llevó a organizar un acto tan fuera de lo común que tal vez valga la pena contarlo. En 1980 cumplía 10 años un programa de noticias a mi cargo llamado 24 horas. Decidimos en Televisa celebrar la fiesta no con un pastel y 10 velitas, sino con un encuentro al más alto nivel entre catedráticos, filólogos, escritores y periodistas, convocados por un solo tema: velar por el futuro de nuestra lengua.

Resumo lo que aquello fue. La Universidad de Salamanca recogió la idea, se unió a ella y nos abrió las puertas gigantescas de su prestigio y las estrechas de aulas legendarias y estremecedoras como las de la Columna, Fray Luis de León, Francisco de Vitoria y Miguel de Unamuno. El doctor Pedro Amat, rector magnífico de la Universidad de Salamanca, dio la bienvenida a personalidades de la talla de Dámaso Alonso, director de la Real Academia Española; Francisco Monterde, director de la Academia Mexicana de la Lengua, y participantes diversos, entre ellos, mencionados sin orden alguno, Juan Rulfo, Juan José Arreola, Fernando Lázaro Carreter, Miguel Alemán, Álvaro Mutis, Miguel Delibes, Andrés Henestrosa, Torcuato Luca de Tena, Francisco Umbral, Luis María Ansón y Silvio Zavala.

Párrafo aparte merece la sesión en la que fui ponente, no por mi trabajo sin méritos sobre el idioma español como vínculo de unión, sino porque entre los participantes estuvieron Camilo José Cela y un maestro con quien amisté desde entonces, don Víctor García de la Concha, actual director de la Real Academia Española, moderador del debate. Lo insólito, permítanme que insista, es el motivo de aquella reunión: el cumpleaños de un programa de la televisión mexicana.

Hoy acudo emocionado a esta Universidad de Oviedo donde se me dispensa un gran honor por otra causa rara: el obstinado desempeño de un oficio. La porfía en el ejercicio de lo único que sé hacer, periodismo, me ha traído ante ustedes el día de hoy, cuando México celebra el bicentenario del grito de Independencia y el centenario de la Revolución, en época de violencia y adversidad en que, sin embargo, mantenemos nuestras instituciones y la cohesión social, mientras partidos formados en la democracia buscan los caminos de la paz y el entendimiento. En medio de la turbulencia se advierte la necesidad de la cultura como esperanza, sobre todo para la juventud; del estudio para la serenidad del juicio y de la educación insustituible en la construcción de un mejor futuro de la humanidad.

Hace unos días la Universidad Nacional Autónoma de México cumplió 100 años de su refundación y con ese motivo nuestro rector, el doctor José Narro Robles, definió la tarea: “El verdadero progreso, dijo no se puede generar entre la desigualdad y la exclusión, en medio de la ignorancia y las muertes evitables… muchos de nuestros problemas no tienen solución si seguimos por el mismo camino, si no se efectúan reformas de fondo, si no se traza un nuevo proyecto nacional”, y pidió al Congreso establecer un acuerdo a favor del rescate nacional que México demanda. Impulsar este proyecto vital es uno de los compromisos universitarios.

En el esfuerzo general cumple obligación predominante el periodista en su papel de centinela, pero también, según mi convicción profunda, en el deber de poner su micrófono, su periódico, la pantalla o el ordenador al servicio de la cultura, como una prolongación del aula abierta a la crítica, a la disidencia, a la discusión sin ataduras, en calidad de disciplina extramuros, en apoyo de misiones como la de esta Universidad de Oviedo que, al premiarnos hoy, nos compromete a cumplir cada vez más escrupulosamente nuestra labor, navegando juntos hacia un destino común.

 

 

BARROSO DA FONTE HOMENAGEADO

A Casa Regional dos Transmontanos e Altodurienses do Porto homenageou anteontem João Barroso da Fonte, fundador e sócio n.º 1, perpetuando o seu nome numa placa na biblioteca da colectividade.

 

Do programa de homenagem constou uma sessão onde intervieram personalidades que falaram sobre a vida e obra de Barroso da Fonte, seguida da apresentação do seu último livro ‘Alfredo Pimenta: da praxis libertária à doutrinação nacionalista’, pelo prof. Norberto Cunha, da Universidade do Minho.

Barroso da Fonte, escritor, jornalista e investigador, nascido em Montalegre, completou em 2004 meio século de jornalismo e celebra este ano 40 anos de autor de outros tantos títulos em prosa e verso, nomeadamente de 3 volumes do Dicionário dos ‘Ilustres Transmontanos e Durienses’.

José Maria Gonçalves, presidente da direcção da colectividade, enalteceu as qualidades do homenageado, considerando-o “um homem respeitado pela sua capacidade literária e qualidades humanas, sempre disposto a trabalhar pelas causas da região que o viu nascer”.

Emocionado, Barroso da Fonte respondeu que a homenagem era um dos momentos mais felizes da sua vida, “numa casa onde tive tantas alegrias e amizades, e nunca tive mágoas de ninguém”.

Barroso da Fonte foi director no Porto da extinta Direcção-Geral da Comunicação Social, vereador a tempo inteiro da Câmara de Guimarães (1986-1990) e director do Castelo e do Paço dos Duques de Bragança, entre 1990 e 1995, ano em que se aposentou do cargo de director de serviços do IPPAR (Instituto Português do Património Arquitectónico).

Integrou a comissão organizadora do III Congresso Transmontano e da Federação das Casas Transmontanas da Diáspora e recentemente, o Governo distinguiu-o pelo trabalho desenvolvido em prol da Imprensa Regional.

 

 

 

Crítica de Barroso da Fonte ao livro Folhas Ultras de Riccardo Marchi

 

 

"O académico italiano Riccardo Marchi entusiasmou-se de tal modo com o tema que preparou para doutoramento que, mal editou a tese, logo preparou uma espécie de anexo dessa época ao qual chamou Folhas Ultras - As ideias da direita radical portuguesa (1939-1950). Foi patrocinado pela Imprensa de Ciências Sociais que o inseriu na colecção Breve História (2009). Em 256 páginas reúne autores e doutrinas que em Portugal nunca haviam merecido tanta atenção, apesar de se diabolizar o Estado Novo e se falar no fascismo português. Foi preciso vir um italiano indagar este tema que a muitos repugna mas que a muitos outros agrada. É que urge banir o preconceito de que só as esquerdas são cultas, sérias, competentes, ao invés das direitas que, para os seus contrários, são portadores de todos os males da espécie.

Sem complexos Riccardo Marchi fez os estudos básicos em Itália. Mas em 2001 fez uma viagem a Portugal, no âmbito da pesquisa para a tese de licenciatura. Reuniu «material documental sobre a direita radical portuguesa no segundo pós-guerra». Acabou por ficar por cá, investigando esse tema que resultou no volume Império, Nação, Revolução... e com o sobrante elaborou um estudo complementar que acaba de nos chegar, com amável dedicatória do autor.

Marchi escolheu para orientador António Costa Pinto. António José de Brito, Alfredo Pimenta, Jaime Nogueira Pinto, José Pequito Rebelo, Caetano Beirão, Amândio César, António Sardinha, Plínio Salgado e Henrique Barrilaro Ruas foram autores recorrentes. Mas esta excelente obra sobre as ideias da direita radical portuguesa é uma espécie de homenagem a um dos mais plumitivos pensadores desta ala doutrinária: Alfredo Pimenta. Já numa altura em que ele era conservador da Torre do Tombo. Desta sua última década de vida dá este livro conta, a par de um discípulo que honrou o mestre e que ainda está vivo e declaradamente intelectual de direita: o Prof. Doutor António José de Brito.

Riccardo Marchi não se ficou pela licenciatura e pelo doutoramento com esta temática doutrinária. No Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa está a fazer um pós-doutoramento, o que mais abona este investigador que em Portugal não tem imitadores. Talvez por complexos ou receios de ser apodado de fascista radical."

 

Barroso da Fonte ( Director do Jornal Poetas & Trovadores )

 

 

ANTONIO EÇA DE  QUEIROZ  FALA DE SEU PAI

 

Gabriela Mistral, poetiza chilena, escrevera no ano de 1935  uma crónica  num jornal  diário chileno, talvel “El Mercurio de Valparaiso “? dedicada ao filho do genial maestro das letras lusitanas, Eça de Queiroz; e fora dada  a conhecer  no Diario dos Açores a 15 de Fevereiro de 2004 por meio do saudoso cronista conimbrecense  Joaquim  de Carvalho Montezuma, homem que tinha bons  contactos com escritores e poetas  latino-americanos.

A Casa do México guarda cuidadosamente  dois raros livros: um publicado por Maria  Eça de  Queiroz e outro de autoria de António  Eça de Queiroz, a recordar o Pai  e a atacar os patifes que criticavam no seu tempo  o talentoso génio da literatura portuguesa.

Gabriela Mistral lera muito a  Eça de Queiroz e Camilo C. Branco enquanto Consul do Chile na cidade do Rio de Janeiro. Visitara Portugal no ano de 1935, quando estava  como diplomata na Embaixada do Chile em Madrid.

 

 

 

ZOLA E EÇA DE QUEIROZ

 

O romancista português chegava no dia 1 de Maio a Paris, devendo partir no dia 2, de manhã,  para Londres, a caminho de Bristol. Simplesmente, quando eu lhe disse que Zola tinha empenho em o conhecer. Queiróz resolveu demorar-se mais um dia em Paris. Zola receberia uma carta minha  prevenindo-o da nossa visita, no dia seguinte, pela volta das onze. E no dia seguinte, um soberbo domingo de primavera, um domingo festivo, cheio de sol, convidando os parisienses ao alegre jantar no campo, mesmo sobre a margem do rio Sena-  no dia seguinte, chegamos a casa de Zola que nos acolhia de mãos estendidas, contente e satisfeito por apertar a mão àquele que em Portugal tão brilhantemente tem espalhado o credo da igreja naturalista.

 

     Emílio  Zola e Eça de Queiróz em Paris

  

                       ( Mariano Pina anuncia a visita de Eça de Queiroz a casa de Emílio Zola )

  • O Planeta Terra terá em 2011 sete mil milhões de habitantes. Resistirá o planeta com tanta gente e tanta poluição ? No cartão ambientalista de Boas Festas 2010, diz o  investigador  botânico  Prof. Dr. Jorge Paiva, ex-director do Inst. Botânico de Coimbra, que sem a Biodiversidade não sobreviveremos. Estamos todos condenados a morrer envenenados.

 

 

 

A CULTURA EM CADIMA

A actividade cultural em Cadima é no nosso presente quase nula . Há, de vez em quando, representações teatrais, fados, concertos na Junta de Freguesia e  na igreja de Pontes. A partir de 2013 haverá novidades, a cultura regional em Cadima terá  um magnifico Centro Cultural orientado por uma família espanhola, com salas de exposições e conferências, biblioteca, salão de chá e sala de leitura.

 

  • O Concerto de Ano Novo 2011 na Opera de Viena teve uma nova imagem . A Opera de Viena está de parabéns pelo magnífico espectáculo clássico, visto em todo o mundo!  Viena, cidade encantadora, romântica; jardim nato de grandes compositores .

 

  • · BRASÍLIA, PARAÍSO DO Show POLÍTICO

 

  • · A tomada de posse da primeira mulher brasileira a comandar as rédeas do poder no Palácio do Planalto teve festa galante ! Nem a Casa Branca festejou tão pomposamente  a tomada de posse de Barack Obama. Brasil é o país do samba, resta esperar para ver como vai sambar  a senhora Dilma.

Mensagem do Dr. Fernando Nobre

A visão de um cidadão activo e inconformado com certos aspectos e da sociedade.

 

Sexta-feira, 31 de Dezembro de 2010

 

Encerra-se o Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social e inicia-se, em Janeiro, o Ano Europeu do Voluntariado.

 

 

 

Um e outro deviam vigorar em permanência. As duas causas são essenciais. São pedras basilares na vivência em sociedade.

 

 

 

A pobreza é um flagelo. É uma violação sistemática dos direitos humanos. A pobreza e a exclusão social impedem, desde logo, o cumprimento do 1º artigo da Declaração Universal dos Direitos do Homem – igualdade em dignidade e direitos. A situação de pobreza e/ou exclusão castra, à partida, grande parte das possibilidades de evolução pessoal. E as perspectivas não são as melhores. Quando todos trabalhamos para atingir os Objectivos do Milénio e nos congratulamos com a evolução, ainda que lenta, da situação de pobreza extrema em que vivem algumas populações no Mundo, assistimos, no nosso país, a um retrocesso cada vez mais evidente.

 

 

 

A AMI aplica, actualmente, mais de 50% dos seus recursos financeiros em projectos em Portugal. Isto, meus amigos, apesar de ser um claro sinal do empenho da AMI na mitigação dos problemas ao nível nacional é também, infelizmente, sinal de que há cada vez mais necessidade. É assim que a celebração do Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social não podia ter sido mais pertinente.

 

 

 

Mas há que continuar!

 

 

 

E se constatamos que o Estado não fará mais em 2011, do que fez em 2010; que as empresas estão também elas a atravessar um momento difícil; que as organizações não governamentais, IPSS e associações várias estão no limite das suas capacidades, façamo-lo nós enquanto cidadãos. Cada indivíduo tem, na sociedade, tanta responsabilidade como o Estado ou agentes do poder económico. Cada um de nós deve deitar mãos à obra e fazer pelos outros. Pelo vizinho. Pelo amigo. Olhemos quem está à nossa volta e ofereçamos a nossa mão, o nosso tempo. Por vezes, esse gesto quase que basta para fazer a diferença. A isso se chama voluntariado. E assim se deve viver em sociedade.

 

 

 

Celebremos então o Ano Europeu do Voluntariado considerando-o parte da solução para a situação de pobreza e exclusão social em que algumas pessoas, infelizmente, vivem. Só assim poderemos fazer face aos tempos verdadeiramente difíceis que se avizinham. Unidos, com espírito de entreajuda. Empenhados em causas. Dando-nos ao trabalho de nos envolvermos... Devemos ser nós, os cidadãos, a mostrar que a crise financeira é vencível. E que a indiferença não predominará.

 

 

 

Existe um caminho, ainda que longo. E ele está em cada um de nós. Se cada um continuar no seu trilho sem olhar para o que se passa ao lado, para além de uma crise financeira teremos, muito em breve, uma crise social devastadora. Estou certo que o voluntariado é não só a solução para muitos problemas, mas também a fonte mais cristalina de auto-estima de um povo.

 

 

 

Escrevi-o em 2001 e continuo a acreditar: "Os desafios que a Humanidade tem de enfrentar são enormes mas tenho a convicção de que os cidadãos saberão responder positivamente tanto no que diz respeito à defesa do ambiente como à condução de uma ajuda humanitária verdadeiramente credível e não manipulada por outros interesses menos claros, como no combate sem tréguas à pobreza e à exclusão social e também numa luta sem quartel contra toda a forma de intolerância. Num mundo em que a ausência de políticas corajosas gera a ausência de causas, estou convicto que uma sociedade civil forte e activa saberá lutar por essas causas, as eternas causas universais, as causas dos valores, porque é disso que estamos à espera, duma globalização de valores e sobre isso, sem dúvida nenhuma, o voluntariado tem uma palavra decisiva a dizer. Estou certo que a dirá."

 

 

 

Desejo a todos um ano de 2011 repleto de acções de voluntariado! Será, certamente, um ano de riqueza interior.

 

 

  • Desde Aljuriça, Cantanhede, Luis de Jesus transmite ao ilustre                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     Dr. Fernando Nobre profundo reconhecimento pelo seu precioso e brilhante labor humanitário em favor dos perdidos.

 

       Um abraço fraterno, cordial.     ( Casa México deseja ao Dr. Fernando Nobre excelentes resultados nas presidenciais. )             

 

publicado por luiscatina às 17:50

mais sobre mim
Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar
 
blogs SAPO