Janeiro 09 2012
BOLETÍM CULTURAL

 CATINA MUNDI


  Boletim de letras, ideias, diálogos e crítica

  Casa México- Aljuriça (Portugal)

   Casa de Mexico, casa de la cultura, donde los libros son la verdadera Universidad.

  (O primeiro Boletim electrónico publicado na Freguesia de Cadima para o Mundo)

 

…Para las niñas y  niños de Portugal, México, Costa Rica,  Hispanoamérica e America Portugueza es esta publicación mensual…

 

* Porque o mundo me empurrou/ Caí na lama, e então/ Tomei-lhe a cor, mas não sou/ A lama que muitos são.                       ( António Aleixo)

“ Há tantos burros mandando/ Em  homens de inteligência/ Que as vezes fico pensando/ Que a burrice e uma ciência “    ( Antonio Aleixo )

 “ Ao refugiar-me nos livros aprendi a fugir do mal sem o experimentar”

                                                                              Camilo C. Branco

*“Procurando o bem para os nossos semelhantes encontramos o nosso”

                                                                               Platão

 "A leitura para mim sempre foi uma fonte de prazer, e gostaria que isso fosse uma coisa generalizada."      "Um país se faz com homens e com livros"

Monteiro Lobato

                           

PUBLICAÇÃO  MENSAL, em  PORTUGUÊS e CASTELHANO,  QUE TEM  COMO  OBJECTIVO A PUBLICAÇÃO DE TRADUÇÕES DE TEXTOS DE AUTORES  PORTUGUESES, CASTELHANOS E LATINO-AMERICANOS, RESENHAS DE PUBLICAÇÕES RECENTES  E PASSADAS E NOTÍCIAS SOBRE EVENTOS CULTURAIS D’AQUÉM E D’ALÉM MAR.  (GANDRASMEXICOCOSTARICA.BLOGS.SAPO.PT)

Presentación

Boletín de periocidad mensual  aparece en septiembre de 2009  como fruto del amor por las letras luso-mexicanas. El objectivo esencial de Casa  México  es coadyuvar  en la promoción y en la difusión de las literaturas clásica y contemporânea.  Dicha publicación llega a los cuatro rincones del mundo  por Internet.

 

 

 

Editorial

 

OS PORTUGUESES  ( THE PORTUGUESE )

( A história moderna de Portugal. O verdadeiro retrato de um povo único, fascinante e contraditório )

 Editora Club de Autor

 

Acaba de aparecer nas librarias uma obra literária, de autoria do jornalista inglês  Barry Hatton, titulada “ OS PORTUGUESES” e é apresentada ao leitor como um conjunto de reflexões pessoais e sociais, relacionadas com acontecimentos históricos da nossa monarquia, da nossa democracia, da nossa pequena história da vida social, de hábitos pessoais e colectivos, de costumes e tradições, bem como de vícios peculiares unicamente nossos.

O valor deste livro reside num modelo realista despojado de qualquer artificialismo, ainda que pareça em frente dos nossos olhos! O trabalho literário deste jovem jornalista inglês é o resultado de um caminho de vivências pessoais e jornalísticas, atenta observação sobre costumes próprios e gentes comuns; a curiosa curiosidade, não mórbida ou picaresca, mas viva de vida viva, o juízo franco, sério e irónico ( como é o dos ingleses! ) laborado pela inteligência, culta, vivida e informada, constituem os episódios reflexivos de todas as páginas do livro.

É bom realçar que Barry Hatton apresenta-se neste seu livro sem máscara, pois é o homem-jornalista  na sua figura mais concreta e realista, que se apresenta diante do leitor. Reside aqui a grandíssima importância do livro de …..: a não existência de fixionismos cronistas.

Partindo que Barry Hatton só tenha vivido e trabalhado em Lisboa, leva-nos a pensar que no interior da alma deste inglês existe uma forte curiosidade em conhecer o destino  da nossa história e as coisas  concretas e banais da nossa cultura popular, mesmo que o narrador tenha  em conta a sua consciência individual, aprendida no convívio diário com as pessoas vulgares e na consulta de obras antigas em algumas bibliotecas lisboetas. Isto significa que …é um amante das coisas do espírito, a sua paixão pela cultura portuguesa, o seu fino conhecimento das nossas novas gerações, bem como deixa transparecer o seu bom gosto  na apreciação de tudo o que vê diariamente nas ruas e nos bastidores da nossa cosmopolita capital.

OS PORTUGUESES é um livro a ser lido e relido por todas as gerações que ocupam este nosso Portugal provinciano!

 

 

 

La música es el corazón de la vida.

 

Por ella habla el amor; sin ella no hay bien posible

 

Y con ella todo es hermoso.

 

Franz Liszt

 

Raquel Ramírez Barquero, mezzosoprano y una de las mejores voces de Costa Rica, nació en San José el 14 de agosto 1972, y su temprana partida, el 6 de enero del 2010, nos ha llamado a revalorar su legado en el canto lírico costarricense. En el devenir de su carrera fue calificada como una voz sin límites, que llevó al máximo esplendor el dominio vocal, la interpretación y el dominio escénico, con méritos reconocidos nacional e internacionalmente.

 

Raquel desde muy joven eligió como forma de vida el canto, e inició su formación académica y artística en el Conservatorio Castella para luego formalizar su especialidad en canto en la Universidad de Costa Rica, lo que le llevó a ser la directora del coro “Heredia Canta” del Centro de Estudios Generales de la Universidad Nacional y de la Cátedra de Canto de la Universidad de Costa Rica. Como profesora se dedicó a enseñar lo que consideró sublime, el canto, convirtiéndolo en su modus vivendi.

 

Entre sus múltiples interpretaciones se encuentran: “Réquiem” Op.9 de Duruflé, “El Mesías” de Haendel, “Gloria” de Vivaldi, “Rigoletto” de Verdi, “El barbero de Sevilla” de Rossini entre muchos otros, así como la “Carmen” de Bizet (Mercedes), “Don Giovanni” de Mozart (Doña Elvira), “Falstaff” (Mistress Quicly), además de cantar en los montajes escénicos de Stefano Poda “La isla de los Cipreses”, “Lacrimosa”, en el estreno mundial del musical “Rasur” de Carman Moore y en la zarzuela “Luisa Fernanda” (Luisa). En la interpretación del Lieder podemos hacer referencia, entre otros, a Franz Schubert, Robert Schumann, Fanny Mendelsohn, Clara Schumann, Josefin Lang, “Canciones de Madagascar” de Ravel y “Cuatro canciones serias” de Brahms entre otros.

 

Durante su carrera participó como solista con orquesta, con distintos ensambles de música de cámara en importantes auditorios, teatros y salas de conciertos en California, Cuba, Puerto Rico, México, Guatemala, Nicaragua, Panamá, Costa Rica, Colombia, Venezuela, Perú y Barcelona (España).

 

Además de la belleza de su voz, Raquel se destacó por su belleza interior, de un espíritu noble, siempre tenaz y lleno de paz.

 

Nunca perdió de vista su procedencia concatenando su legado artístico con su rol de hija, hermana y madre.

 

Por el lado materno, perteneciente a una familia de cantantes, con “objetividad” me resulta imposible precisar la diferencia material y transcendental de la belleza de su voz con su belleza personal, lo que equivale decir, que entre ellas lo único en que difieren es el espacio y el momento donde enfocaba su empeño, una en la cotidianeidad, en su entorno más íntimo y la otra sobre el escenario, resplandeciente e imponente, como una diva.

 

En este sentido, la relación que existe entre el canto y su sensibilidad constituye un binomio perfecto, atractivo, que favoreció a Raquel en todo su quehacer artístico, propiciando relaciones con grandes figuras del canto lírico más allá de nuestras fronteras. Esa sensibilidad también le permitió compartir sueños y esperanzas con jóvenes, procedentes de todos los sectores de nuestra sociedad, hacia un pleno desarrollo de su potencial artístico.

 

Asimismo, la fortaleza de su espíritu la conjugó con su talento, convirtiéndose en una persona apasionada con lo que hacía. Desde muy joven despertó en ella el deseo irresistible de llegar a triunfar en el canto y tomada la decisión de una vez y para siempre supo llevar su carrera con consistencia, disciplina, inteligencia y dedicación. Enfocada en lo que quería, sin ninguna determinación materna o familiar, establecimos una disciplina en el trabajo técnico-vocal que posteriormente seguiría perfeccionando con Zamira Barquero, su tía.

 

En esos momentos, la práctica vocal llegó a constituirse en una necesidad para el desarrollo de su talento, logró un timbre vocal propio, que la convirtió realmente en una de las grandes figuras del canto nacional.

 

Es importante enfatizar sus logros en el ámbito nacional e internacional, siendo el canto lírico un medio artístico difícil y exigente, de pocas oportunidades para muchos, por lo que sus éxitos en el escenario son admirables y dignos de recordar.

 

La pérdida de esta gran voz es insustituible e insuperable y la convierte en un ícono en la historia del canto en Costa Rica.

 

Amelia Barquero Trejos. Profesora de canto y madre de la mezzosoprano Raquel Ramírez Barquero

 

 

 

As mulheres na Roma Antiga

 

Nem todas as mulheres experimentam os mesmos sentimentos. Encontrareis mil almas com mil maneiras diferentes. Para as conquistar, empregai mil maneiras. A mesma terra não produz todas as coisas: tal convém à vinha, tal à oliveira; aqui despontarão cereais em abundância. Há nos corações tantos caracteres diferentes, quantos rostos há no mundo.

«Cabeça de Minerva em mármore – séc. I d.C.

  Museu da Comunidade Concelhia da Batalha »

 «O homem prudente acomodar-se-á a estes inumeráveis caracteres; novo Proteu, tão depressa se diluirá em ondas fluidas para logo ser um leão, uma árvore, um javali de eriçadas cerdas. Os peixes apanham-se aqui com o arpão, ali com o anzol, acolá com as redes puxadas pela corda estendida. E o mesmo método não convirá a todas as idades: uma corça velha descobrirá a armadilha de mais longe; se te mostrares experiente junto de uma noviça, demasiado petulante junto de uma recatada, ela desconfiará que a vais tornar infeliz. Assim é que a mulher que às vezes teme entregar-se a um homem honesto, caiu vergonhosamente nos braços de alguém que a não merece».

Ovídio, in «A Arte de Amar»

 «Feio é o campo sem erva e o arbusto sem folhas e a cabeça sem cabelo»

«Há quem, à luz que alumia os longos serões de inverno, abique archotes com um ferro acerado, enaquanto a esposa, que suaviza com o canto o seu labor, passeia no tear o pente de som harmonioso, ou coze ao lume o doce mosto, e escuma com um ramo o líquido que ferve no tacho.

Pelo meio do dia se ceifa a messe dourada; à hora do calor se malham na eira os trigos que o sol tostou»

(Virgílio, As Geórgicas: 290-295)

Sim, hei-de regressar um dia à Mulher em Roma, mas por hoje fica aqui apenas, para terminar a semana, um texto que ofereci à «Cidade das Mulheres» e que me fez relembrar que tenho que rematar o tema.

 Roma é uma sociedade ancestralmente uma sociedade patriarcal. À cabeça de cada grupo estava um pater familias que exercia o seu poder até à morte, podendo decidir da vida ou morte dos seus filhos. É só ele que pode participar na vida política, nas assembleias, no senado, nas magistraturas, e no âmbito familiar, era o homem que presidia e assumia juridicamente a função predoninante, ou seja, para todos os efeitos, comandava a casa.

 Pelo casamento, coniunctio maris et feminae,  ou seja «a união de um homem e uma mulher» a mulher passava a depender da família do marido, ficando submetida a um poder familiar semelhante ao que tinha em casa antes do matrimónio, pois o esposo podia também decidir da sua vida.

A mulher entrava na esfera familiar do marido «como se de uma filha se tratasse, com todas as implicações daí decorrentes, nomeadamente a de se constituir com heres suus, isto é, de se tornar sua herdeira directa. Era, na esfera jurídica, como uma irmã dos seus próprios filhos» (Amílcar Guerra, op. cit.).

 No entanto, em Roma as mulheres ocupavam uma posição de maior destaque do que acontecia na Grécia Antiga, em particular em Atenas, pois Esparta parece ter-lhe dado maior autonomia.

«Numa visão geral, o homem apresenta-se normalmente como o chefe de família, o único elemento que desenvolve uma actividade pública (estritamente política ou não), por oposição à domina, a «senhora da casa» (domus) cujo «poder» se restringiria a esse âmbito particular. E, de uma forma geral, não restam dúvidas de que a sociedade romana se centrava na figura do homem» (Amílcar Guerra, op. cit. p: 16).Quando casada, era, de facto “senhora da casa”, a domina, não sendo, contudo, reclusa nos aposentos das mulheres, Geniceu, como acontecia na Grécia Antiga.

Por concessão do marido ela assumia o governo da casa (cura) e passava a ter direito às chaves do cofre-forte. A mulher é, por excelência a materfamilia ou matrona. Tomava também conta dos escravos, omnipresentes em casa,  e participava das refeições com o marido, como se pode verificar no Banquete, saía (usando a “stola matronalis”), tinha acesso aos tribunais  e participava nos espectáculos públicos, sendo, por isso, criticada por Juvenal e pelo cristão Tertuliano, pois assumia uma presença pública não se cingindo às actividades domésticas ou aos tempos livres entre bordados

Vale a pena, apenas a título de curiosidade conhecer o texto de  Claudiano que nos retrata Prosérpina que « (…) lavrava com a agulha a série dos elementos e o trono paterno (…) bordava com que regra a mãe natureza ordenou a antiga confusão e como os elementos se dispuseram nos lugares próprios: o que é leve para o alto é conduzido, no meio caiem as coisas mais pesadas, tornou-se o ar incandescente, o fogo ergueu-se para o céu, ondeou o mar, ficou suspensa a terra. E não havia apenas uma cor: com o ouro iluminou as estrelas, derramou as águas com púrpura. Com as pedras preciosas ergue um litoral, fios em relevo dão engenhosamente fora a fingidas ondas».

 

Claudiano, «O Rapto de Prosérpina

Agulhas e alfinetes de cabelo em osso, Sepultura de Galla, Ruínas Romanas de Tróia, MNA

Por casamento — justum matrimonium —, sancionado pela lei e pela religião, processava-se a transferência da mulher do controle (potestas) do pai, Pater Familias que exercia a Res Familiaris, para o de seu marido (manus).

 O casamento tomava assim a forma de “Coemptio”, “uma modalidade simbólica de compra com o consentimento da noiva. Ele também podia consumar-se mediante o usus, se a mulher vivesse com o marido durante um ano sem ausentar-se por mais de três noites” .

 Mas Roma não é um mundo estanque e imutável e a condição da muher vai-se alterando ao longo do tempo. Com o crescimento de Roma, a mulher foi gradualmente adquirindo autonomia, podendo inclusivamente participar da herança dos bens paternos, sendo sabido que, a partir do século II a.C., é notório um processo de emancipação soicial e jurídica que se manifesta quer no casamento, no divórcio, nas heranças e na própria manutenção do seu nome de família.

Usando as palavras de Amílcar Guerra «Sem que possa atribuir a esse facto uma relevância especial, a verdade é que a mulher não só não perdia o seu nome de solteira, como nunca alterava, por casamento. Mantinha, por isso, na regra mais geral, o nome da gens (comum a toda a sua família alargada, de qualquer modo o da via masculina) e o seu cognomen que a individualiza nesse âmbito. Todavia, a preponderância masculina leva a que ela não transmita, por norma, o nomen gentilicum» p: 109.

 Em Roma, no período imperial foram-se abandonando gradualmente as formas mais antigas de casamento e adoptou-se uma na qual a mulher permanecia sob a tutela de seu pai, e retinha na prática o direito à gestão de seus bens, havendo muitas mulheres ricas, disfrutando do seu património e dedicando-se aos negócios.

 As aristocratas replicam, de algum modo, o orgulho dos pais, a casa dos quais podem regressar em caso de divórcio, e conservam a sua riqueza própria, apesar do casamento, mantendo a capacidade de poder testar os seus bens.

 O divórcio era aceite na sociedade romana e o casamento chegou a ser até impopular na Época Imperial, sendo estas as palavras de Cecílio Metelo “Se pudéssemos passar sem uma esposa, romanos, todos evitaríamos os inconvenientes, mas como a natureza dispôs que não podemos viver confortavelmente sem ela, devemos ter em vista nosso bem-estar permanente e não o prazer de um momento” (Suetônio, Vida dos Doze Césares, “Augusto”, 89).

 Muitas das alterações sentidas na sociedade romana devem-se às sucessivas guerras e aos longos períodos de ausência dos maridos, fruto do expansionismo romano, que permitiu a ascensão do papel da mulher.

 No entanto, os recenseamentos omitem as mulheres, sendo apenas contabilizadas as herdeiras.

 Se bem que a generalidade das meninas romanas recebesse apenas uma instrução básica, pois a sua função primordial era prepararem-se para ser esposas e mães, houve muitos exemplos de mulheres que exerceram influentes profissões e que dirigiram negócios lucrativos. Há também inúmeros exemplos de mulheres versadas em Literatura.

 Até determinada altura, a toga era o elemento básico do vestuário, quer feminino, quer masculino, ao ponto de Virgílio na Eneida (I, 282) chamar aos Romanos «os senhores do mundo, o povo da toga».

 No entanto, ele foi-se sofisticando e, já durante a República, só os jovens e as cortesãs usam toga. As matronas utilizavam sobre a stola (túnica ou vestido comprido) a palla (grande mantilha pregueada que, ao contrário da toga, cobria os dois ombros).

 As mulheres de condição mais elevada usavam tecidos ricos bordados e importados das várias partes do império.

 O rosto era embelezado e os cabelos tratados e penteados de diferentes formas, também dependendo das épocas e respectivas modas, se bem que em público tivessem o costume de cobrir a cabeça.

Um diadema, parcialmente oculto por véu, indica que se trata de um membro da família imperial que não é possível identificar com segurança, embora apresente semelhanças com o retrato de Lívia, mulher do imperador Augusto. Criptopórtico de Aeminium, Museu Nacional Machado de Castro. Foi aqui utilizada a descrição ofocial da peça

“Em Roma, o cabelo e o seu arranjo eram considerados um elemento fundamental do atractivo de uma mulher, assim como um sinal da sua idade, posição social e função pública”, (Bruno Ruiz-Nicoli in Rostos de Roma. Évora: Museu de Évora, 2010, p. 48), sendo os penteados de Época Imperial caracterizados por uma enorme exuberância, sobretudo a partir da Dinastia julio-claudiana e que atinge o auge na época falviana e no reinado de Trajano que, de algum modo,  contrastando com a contenção verificada na Época de Augusto que se filia na tradição helenística.

Segundo o autor latino do século II d.C. Luciano «as mulheres dedicam a maior parte dos seus esforços à trança dos seus cabelos» Amores, 38-41.

As mulheres também recorriam a colorações, sendo comum o uso da henna importada do Oriente e socorriam-se de extensões ou perucas para os casos de insuficiência de cabelos

Assim nos diz o moralista Tertuliano no seu «A Moda Feminina/Os Espectáculos»:

«Vejo que algumas de vós que pintam os cabelos com açafrão chegam a envergonhar-se da sua pátria, de não terem nascido na Germância ou na Gália. Trocam, assim, a Pátria pela cabeleira. Coisa ruim, coisa péssima a si mesmas pressagiam com a sua cabeça da cor do fogo».Retrato feminino. «Rostos de Roma». Museu Arqueológico de Madrid.

Os caracóis, por usa vez, obtinham-se com o recurso ao calamistrum, um instrumento metálico que se aquecia ao lume de forma a obter os efeitos desejados.

Para prender os cabelos usavam alfinetes, os acus crinalis.

Do lado esquerdo, fragmento de pulseira em pasta vítrea. Museu Municipal de Santiago do Cacém.

Eram usados múltiplos adereços, desde anéis, muitas vezes com pedras, colares e pingentes, brincos, pulseiras, bracetes e diademas, valendo a pena, em Portugal, entre tantos outros, conhecer o acervo do Museu de Conímbriga.

Objectos de adorno romanos. British Museum. Fotografia Filomena Barata

Objectos em osso provenientes de escavações efectuadas na Rua de Burgos, Évora. Destaco as agulhas e o fragmento de pente por se tratarem de objectos de adorno.

Espelho romano. Museu Nacional de Arqueologia.

As mulheres não dispensavam os espelhos nem prenestinas, ou seja, os cofres em bronze que continham os acessórios de embelezamento feminino, nem os seus perfumes e unguentos.A propósito dos cuidados femininos, diz-nos ainda no século II Tertuliano «De facto, embora não se deva acusar a beleza – a qual é a graça do corpo, o acabamento da modelação divina, um agradável vestimento da alma – ela haverá, no entanto, que ser temida, nem que seja por causa dos ultrajes e das violências daqueles que andam atrás dela» (p: 57).

« A noção romana de integridade moral da mulher desenvolveu-se em função da noção da propriedade pessoal, e a castidade feminina (implícita na virtude matronal) tornou-se parte integrante da posse de um bem físico (…)»

 Num estudo actualmente em curso sobre as representações de mulheres em mosaicos romanos, coordenado por María Luz Neirape, Universidade Carlos III de Madrid, (UC3M), integrado num projecto mais vasto “Sociedad y economía en los mosaicos hispanorromanos II”, del Programa Nacional de Humanidades de la Comisión Interministerial de Ciencia y Tecnología (CICYT), dado a conhecer por José dÉncarnação à comunidade científica através do Portal Archport, tenta-se analisar as figurações femininas nos mosaicos romanos e o impacto que tinham no imaginário dos estereotipos romanos.

Citando a partir do Archport «En los mosaicos romanos aparecen numerosas representaciones femeninas. La mayoría son de inspiración mitológica – diosas, heroínas y otras protagonistas de un sinfín de leyendas – aunque también se documentan otras de mujeres de carne y hueso, probablemente dominae, sus hijas, doncellas y sirvientes. “Lo más significativo de estas representaciones son los diferentes papeles que reflejan y su contribución a la construcción de determinados estereotipos, no sólo en el mundo romano sino en el transcurso de la historia hasta la actualidad”, destaca Luz Neira, Profesora Titular de Historia Antigua del Departamento de Humanidades: Historia, Geografía y Arte e investigadora del Instituto de Cultura y Tecnología de la UC3M.Los papeles de las mujeres que aparecen en los mosaicos se pueden clasificar en tres grandes grupos, según los investigadores. En primer lugar, se pueden encontrar los papeles de esposa, madre e hija que reflejan la fidelidad, la preocupación por los hijos y la obediencia sin oposición a los padres (ejemplos positivos en la época), aunque también se documentan representaciones de conductas opuestas en un sentido aleccionador que parecen aludir a las temibles consecuencias de quienes así se comportan. En segundo lugar, otras representaciones evocan a partir del desnudo el erotismo e incluso, frente a la unión civilizada en el marco del matrimonio, la unión salvaje, que garantiza placer y disfrute. En tercer y último lugar, algunas representaciones mitológicas parecen reflejar una alusión a una sensibilidad diferente, como el caso de determinadas heroínas dispuestas a todo antes de caer en brazos de un varón, aunque sea un dios, o el de las amazonas practicando la caza y compitiendo con héroes de gran celebridad. “Resulta curioso comprobar – indica la profesora Luz Neira – cómo en muchas de estas representaciones, con independencia de su papel, se incide en la figura femenina como causante de males y guerras, siguiendo una tradición que, referida ya por el poeta Hesíodo en el siglo VII a.C., se remonta al mito de Pandora”. Se pueden encontrar numerosos ejemplos gráficos de este tipo en el libro publicado recientemente bajo la dirección y coordinación científica de Luz Neira, Representaciones de mujeres en los mosaicos romanos y su impacto en el imaginario de estereotipos femeninos (Ed. Creaciones Vincent Gabrielle, 2011). Desde una perspectiva que rehúye la consideración de la imagen como mera ilustración, esta obra aborda el análisis y el debate sobre los diversos papeles de las mujeres que aparecen reflejados en la musivaria romana, “descartando la idea trasnochada acerca de la utilización inconsciente de arquetipos y modelos, carente de significación histórica”. El volumen cuenta con la participación de prestigiosos investigadores españoles y extranjeros con numerosos estudios sobre el tema.

 

 

 

Vias Romanas em Portugal

 

 

Introdução ao Sistema Viário Romano

 

--------------------------------------------------------------------------------

 A rede viária romana é a maior obra de engenharia da antiguidade em Portugal. Apesar do seu levantamento ter atraído diversos estudiosos, continuamos com mais incertezas do que certezas, pelo que os itinerários propostos são em grande medida conjecturais. Assim, os itinerários aqui publicados tentam fazer uma compilação do conhecimento actual sobre o tema pelo estão constantemente a ser revistos à medida que novos trabalhos de investigação são publicados. ver Histórico de alterações.

 

 Dificuldades

 De entre os problemas encontrados para o seu estudo salientam-se os seguintes: •A vastidão e dispersão geográfica da rede viária, cobrindo a quase totalidade do território português.

 •A incerteza quanto à origem destas calçadas devido às sucessivas reparações ao longo dos últimos 2.000 anos.

•O abandono e destruição a que estão votados estes vestígios arqueológicos.

 

Estado actual

 O maior problema na definição dos itinerários é saber como «encaixam» os múltiplos troços espalhados pelo país no vasto sistema viário romano do qual ainda só se conhece um pequena parte. Para além das vias principais mencionadas no Itinerário de Antonino, existiam uma grande quantidade de outras vias que interligavam civitates, vici e portus. Aliás, foi esta teia de comunicações que permitiu o grande desenvolvimento económico durante a época de domínio romano e mostra bem como uma rede viária bem planeada pode potenciar a riqueza de uma região, criando assim um padrão de desenvolvimento em território nacional que subsiste em grande parte até aos dias de hoje.

 

Outros vestígios importantes

 Ao longo dos Itinerários são indicados os vestígios e indícios da antiga via como miliários e mansiones, mas também se indicam outros vestígios directamente relacionados com a via como villae, necrópoles, castros romanizados, explorações mineiras e agrícolas, etc, já que frequentemente estes vestígios estão associados à passagem da via na sua proximidade:

 •As villae, mais que uma habitação, são focos de desenvolvimento económico que necessitam de vias de escoamento para os seus produtos, quer para as cidades, quer para portos a fim de serem exportados Além disso algumas das villae mencionadas seriam a própria mansio de apoio à estrada.

•As necrópoles eram frequentemente localizadas ao longo da estrada romana, contíguas à via, nas saída das cidades, como é caso da necrópole de Lethes em Ossonoba (Faro), longe dos vivos, assegurando assim a salubridade pública, mas mantendo o mundo dos mortos em permanente contacto com o dia-a-dia do mundo dos vivos.

•As explorações mineiras eram apoiadas por uma rede complexa de vias secundárias que permitiam o escoamento do minério até às vias principais ou, o que é mais provável, seguindo por uma via secundária para o porto fluvial mais próximo, onde seria embarcado e transportado rio abaixo até ao litoral, onde finalmente era exportado para todo o império.

 

Sobre as Estradas

 

 A rede de estradas dividia-se em Viae Publicae (também chamadas de Militares ou Consulares) que formavam a rede principal que interligava todo o Império Romano, correspondendo nos dias de hoje as nossas estradas nacionais, as Viae Vicinales, estradas secundárias que ligavam os povoados às grandes vias e as Viae Privatae ou Agrari, caminhos agrícolas ou de acesso privado.

 

 Nada melhor que seguir a explicação Siculus Flaccus, cônsul romano, na sua obra «De condicionibus agrorum»:

 «As vias não têm um único estatuto. Existem as Viae Publicae; que são construídas com fundos públicos, recebendo o nome do seu promotor. O Curator Viarum era responsável pela supervisão da via cuja construção era adjudicada a empreiteiros. Para a manutenção de algumas delas é fixada uma determinada soma aos proprietários em função da via em causa. Em contrapartida as Viae Vicinales, partindo das Viae Publicae, servem os campos ou ligam a outras Viae Publicae. São construídas noutras modalidades, pelos responsáveis regionais que, em geral, exigem aos proprietários os trabalhos de manutenção.»

 Ler online in «De condicionibus agrorum» Cap. XIX.

 

 Um Sistema Viário

 O Cursus Publicus é assim um sistema totalmente hierarquizado, planeado para cobrir todo um território, (é sabido que já na época existia um sistema de distribuição postal que só viria a ser novamente implantado em 1520 com a criação do cargo do Correio-mor, instituindo assim o «serviço público» de correios em Portugal), e apoiado numa rede de estações de apoio aos viajantes, desde as chamadas mutationes, pequenas estações de muda de montadas e condutores, separadas por 10-12 milhas (15-18 km), às chamadas mansiones, albergarias onde os viandantes poderiam reabastecer, saciar a fome e pernoitar. Estas mansiones estavam estrategicamente distribuídas de modo a proporcionar alimentação e repouso no fim de cada etapa do caminho que em média rondariam um pouco menos de 30 milhas (44 km); por curiosidade refira-se que este valor é muito próximo do utilizado entre estações de serviço das nossas actuais auto-estradas. E por fim as stationes que dispunham de guarnição militar para garantir a segurança e o controlo rede viária em locais perigosos ou de passagem obrigatória pelo que eram muitas vezes fortificadas.

 

 Após o fim do Império

 Com o fim do período romano, o trânsito dissemina-se por uma infinidade de caminhos secundários sem grandes artérias que o canalizem e concentrem. Os grandes trajectos que ligavam as principais cidades da península ibérica caem em desuso, ficando toda a rede de estradas segmentada em rotas mais curtas. É também aqui que começam as sucessivas alterações, processo que dura até hoje. Perdida que estava a noção de conjunto, a rede foi evoluindo de uma forma natural, sem planeamento, criando novas rotas e abrindo caminhos aqui e além reutilizando troços das antigas vias imperiais, à medida que surgiam novos focos populacionais e uma nova ordem administrativa do país começava a tomar forma durante o período Tardo-Romana e Alto-Medieval. Com as invasões muçulmanas, o fénomeno acentua-se com novas obras de restauro da via romana e mesmo a construção de novas vias, mas é claro hoje que as chamadas Estradas Mouriscas, assim designadas na Idade Média esquecida que estava a sua origem romana, correm na sua maioria pelo leito da antiga via pelo as referências em documentos medievais à «Via Mourisca» são fortes indícios de aí ter passado também a antiga via romana.

 

Da Idade Média à Idade Moderna

 Este emaranhado de Estradas perdurou pela Idade Média com sucessivos restauros ainda bem visíveis por todo o território nacional, com renovação da calçada, construção de pontes e abertura de novas estradas, formando uma rede viária que ainda hoje é visível na nossa rede de estradas. A rede viária só viria a ser reconstruída numa óptica romana a partir de meados do século XIX, com as estradas reais, recuperando a antiga lógica do caminho romano, ou seja, criando grandes trajectos, assegurando a sua manutenção e segurança e retomando o conceito das mansiones através da criação das mala-postas. As antigas Estradas Reais seguiam frequentemente o traçado antigo da via romana. Merece referência, pela sua importância na história da rede viária portuguesa, a obra de Jozé Diogo Mascarenhas Neto , «Methodo para construir as estradas em Portugal», editada no Porto em 1790 que lança as bases do sistema viário nacional a partir dos conceitos romanos.

 

No século XX

 Só nos anos 30 do século passado com o notável trabalho da JAE é que foi possível converter esta rede num sistema rodoviário uniforme, com padrões modernos de circulação e melhor sinalização através da recuperação do conceito de Miliário com os Marcos Quilométricos. Ainda hoje se podem ver muitos destes marcos nas estradas portuguesas, mas infelizmente a maioria já foi arrancada pelo que hoje voltamos a perder a noção do quilómetro nas estradas secundárias. Mas a totalidade dos conceitos introduzidos pela rede viária romana só vieram a ser integralmente aplicados com a construção da rede de auto-estradas, iniciada nos anos 60, mas que só viria a ser completada nos anos 90 com a entrada de Portugal na CEE. Enfim, demoramos quase 2000 anos a recuperar o método de construir de estradas, como aliás quase toda a engenharia romana, no entanto, é inquietante perceber que a tecnologia de construção sempre esteve aqui. Séculos de barbárie não conseguiram destruir este legado e hoje que aprendemos o que ele significa estamos a ponto de o destruir.

 

Nem todo o caminho de lajes de pedra é romano

 Aliás muitas das vias nem sequer utilizam lajes, dependendo do clima da região, dos materiais existentes na proximidade da via, da topologia do terreno e principalmente, da organização que está por detrás da sua construção.

 Talvez esta ideia tenha surgido porque nas ruas das cidades romanas, era frequente a utilização de lajes como camada final para melhorar a salubridade pública, facilitando a sua limpeza. Daqui se concluiu erradamente que toda a via romana teria que ser coberta a lajes de pedra calçada. Na realidade não há a certeza que a via romana fosse alguma vez construída com pedra calçada; Como todas as vias romanas foram construídas para veículos com rodados, este pavimento é naturalmente impróprio para a circulação de veículos com rodados a grande velocidade, pelo que se supõe ( ver artigos de Isaac Moreno Galo) que na realidade, as vias tinham um pavimento compactado, liso, suportado por uma forte estrutura.

 A tradição histórica de que todas as vias romanas eram calçadas com lajes de pedra e exemplo maior da técnica de construção romana de estradas é vista hoje como uma excepção no contexto do sistema viário romano que procurava a solução mais eficiente em termos económicos e funcionais.

 

 O uso do pavimento em lajes pedra

 Sempre que as condições do terreno assim o exigiam, (subidas, montanha, etc), foi utilizada uma camada final em lajes de pedra, mas como a maior parte das calçadas que ainda resistem são de origem medieval, ainda hoje existe esta incerteza quanto à camada final da via romana. Pelo menos sabemos que o facto de ser em calçada, nada diz sobre a origem romana do caminho. Também é possível que ao longo dos séculos este pavimento tenha a pouco e pouco desaparecido, deixando a descoberto somente a estrutura da estrada conhecida por stratal de onde deriva a palavra estrada.

 

 Como identificar sinais de romanidade?

 Caminhos estreitos e com grandes declives não são habitualmente romanos. Isto só acontece para vencer obstáculos como rios em troços de montanha; de resto tem que se ver pelo menos algumas características que mostram que a origem do traçado é romano, como um alinhamento perfeito, curvas com arcos de curvatura correctas, uma utilização subtil dos próprios acidentes de terreno (como pedras), em resumo, características que demonstram a utilização de matemática e instrumentos de medida de precisão na sua construção, marcas indubitavelmente romanas. Ver artigo de William Ramsay.

 

Técnicas Construtivas

 A sua construção obedecia aos mesmos princípios, mas com grande variedade de soluções e materiais em função do local de construção; o esquema seguinte indica uma das estruturas possíveis:

 

fossae e sulci - leito terraplenado e sulcos laterais para escoamento de água.

stratumen - camada inicial ou fundação com grandes pedras irregulares ligadas por uma argamassa.

rudus - camada de cascalho, ou fragmentos de tijolo, e uma camada de cal hidráulica bem pisada.

nucleus - argamassa de gravilha, ou areia grossa, e cal preparada a quente em camadas regulares.

stratum ou summa crusta - uma camada aplanada de pedra poligonal de granito ou quartzo.

 e eventualmente uma camada final, lisa e suave feita de cal, areia e cimento para rodados.

 Ver artigo de Adam Pawluk.

 

A discussão continua...

 O facto de um caminho antigo ser em calçada nada garante quanto à sua origem romana, na realidade a maior parte das calçadas que vemos hoje são construções medievais, mas algumas de entre elas terão sido construídas sobre a antiga via romana, recalcando o seu anterior traçado e reutilizando os materiais da antiga via. A verdade é que hoje sabemos que via romana era construída procurando a solução mais eficiente em termos económicos e funcionais, adaptando a engenharia de construção às condições no terreno e do clima envolvente, recorrendo por regra aos materiais existentes nas proximidades da via. A utilização de um revestimento em pedra calçada estaria reservada para as zonas declivosas e com forte precipitação de modo a preservar a sua integridade estrutural durante os invernos chuvosos e facilitar a passagem de carros com rodados. Estes factos podem ser observados nas diferentes soluções construtivas adoptadas no norte e no sul de Portugal: Enquanto que no Alentejo, as vias são em geral em terra batida sobre uma estrutura de rudus relativamente simples, no norte do país, prevalecem os grandes troços calçados por vezes com importantes estruturas de suporte para melhor resistirem às intempéries e permitir um traçado em altitude sobre encostas abruptas. Esta discussão sobre a caracterização das vias continua...

 

Os termos «Via» & «Calçada» nos itinerários

 Nos itinerários os termos Via & Calçada significam: •VIA - todo o caminho na rota da antiga via romana, seja em terra batida, calçada em pedra ou por estrada moderna.

•CALÇADA - todo o caminho com possível origem romana ainda com vestígios de pavimento antigo.

 

Sobre os Marcos Miliários

 

 Os miliários encontrados ao longo do trajecto são a principal evidência da passagem da via. Ao contrário de pontes e calçadas, não há dúvida quanto à sua origem romana, mas muitos estão deslocados da sua posição original, outros muito danificados, potenciando erros e aumentando as dúvidas sobre a verdadeira rota de passagem da via romana. As suas inscrições são uma fonte crucial para entender o sistema viário romano ao indicar o ponto de partida e as milhas percorridas ou, por vezes referindo os trabalhos de reparação efectuados na via, como é caso do miliário deslocado para o Solar de Bertiandos em Ponte de Lima (na imagem) na frase «vias et pontes temporis vetustate conlapsos restituerunt».

 

Sendo um reflexo do momento histórico durante o qual foram esculpidos, também neles é notória a deterioração de toda a organização do império à medida que este caminhava para o seu fim. É evidente a degradação das técnicas utilizadas quando comparamos os magníficos marcos miliários do tempo de Augusto e Adriano que integravam as grandes viae militares, com os marcos toscamente esculpidos do fim do império espalhados por uma infinidade de variantes. As sucessivas alterações políticas e administrativas, com a fundação de novas civitates e logo novos pontos de partida para a contagem das milhas, os caput viae, levam a que hoje se possa encontrar numa mesma via miliários com indicação a dois caput viae diferentes como é o caso da Via XVII que liga Braga a Chaves onde tanto há miliários indicando a distância a Braga como outros que indicam a distância a Chaves. Outro sinal destas alterações, aparecem em alguns miliários cuja marcação de milhas indica a distância, não a cidades importantes mas a fronteiras ou limites territoriais, mostrando que a rede viária estava agora a ser gerida por governos provinciais, mais preocupados com o seu território do que com a sua integração no vasto império.

 

Sobre as Pontes

 

 Ao longo dos milhares de quilómetros de vias espalhadas pelo país, existiam um grande número de pontes romanas. Infelizmente a maioria já está destruída, umas pela acção do tempo e das intempéries, outras, a maioria, destruídas propositadamente pelo homem, quer por ignorância, quer pelas sucessivas guerras e invasões que assolaram o nosso território. Assim, muitas das estruturas ditas «romanas» são na realidade toscas reconstruções efectuadas na Idade Média, ou mesmo na Idade Moderna, eventualmente em cima dos alicerces originais.

 

 O número de pontes ditas «romanas» varia muito em função dos critérios adoptados para a sua classificação e é um assunto muito pouco consensual entre os investigadores. A largura e horizontalidade do tabuleiro, a simetria do arcos, as pedras almofadadas e as marcas de fórfex são algumas das características apontadas para certificar a sua origem romana, mas é sabido que nem todas as obras romanas seguiam estritamente este padrão pelo que se torna muito difícil atestar da sua cronologia. Assim a classificação das pontes tenta separar entre pontes com nítidos indícios romanos, quer pelas técnicas construtivas usadas quer pela reutilização de materiais romanos na sua construção, respectivamente «Pontes Romanas» e Pontes «Romano-Medievais», das numerosas pontes ditas «romanas» sem que nada o suporte além de estarem inseridas na provável rota de itinerários romanos. •PONTE ROMANA, construção ou reconstrução mantendo o desenho original;

•PONTE ROMANO-MEDIEVAL, reconstrução medieval sobre fundações romanas;

 •PONTE ROMANO?-MEDIEVAL, ponte medieval, sem vestígios romanos, mas no alinhamento da rota romana.

 

As grandes pontes romanas em Portugal

 Apesar do abandono e quase por milagre em Portugal sobrevivem quatro pontes romanas de grande dimensão que mantêm a traça original, apesar de terem sofrido reparações posteriores:

 

 

 

Todas estão em perfeitas condições rodoviárias e com duas vias de circulação, ainda hoje suportam o tráfego moderno. (tragicamente não se pode dizer o mesmo de algumas pontes modernas...). Como ainda hoje estão integradas na rede nacional de estradas, o viajante menos avisado poderá já ter passado por elas sem se aperceber da sua antiguidade. É o caso da desconhecida Ponte da Pedra, perto de Torre de Dona Chama, concelho de Mirandela, que nem sequer tem uma placa indicando que a sua construção é romana. Todas receberam no entanto alterações, quase sempre pouco felizes como a alteração das guardas, dos pisos (são estradas nacionais...) até ao cimentar dos arcos como na recente intervenção na Ponte de Segura. Todas elas apresentam também fortes evidências da sua origem romana como a horizontalidade, a simetria, a modularidade construtiva e as marcas de fórfex. Ver vídeo sobre a Ponte Romana de Chaves.

 

 

 Outras pontes em Portugal

 Para além destas obras grandiosas, existe um conjunto de pequenas pontes romanas espalhadas pelo país que também merecem ser destacadas. A maioria está ao abandono, apesar de não haver dúvidas quanto à sua origem romana. Nestas pequenas pontes também é possível observar a excelente técnica de construção romana pelo que são monumentos que deveriam receber a atenção dos responsáveis pela protecção do património:

 

 Duas pontes de um só arco inseridas no Itinerário XVII entre Braga e Astorga:

 

Ponte Romana de S. Lourenço, à saída de Chaves.

 

Ponte Romana do Arquinho em Possacos, Valpaços.

 

e várias outras espalhadas pelo país como por exemplo:

 

Ponte Romana do Arco em Vreia de Jales servindo a exploração mineira de Três Minas.

 

 

Ponte Romana da Bobadela junto ao cemitério da aldeia, antiga civitas da região de Oliveira do Hospital.

 

 

 Técnicas Construtivas

 Muitas das obras eram levadas a cabo pelos legionários. Isto exigia a presença de engenheiros integrados nas legiões, transportando aos quatros cantos do mundo conhecido o saber da antiguidade e sendo por isso capazes de planear e construir obras em regiões estranhas e inóspitas, separadas por centenas de milhas, com uma enorme variedade de materiais e num curto espaço de tempo. Com a solidificação da pax romana as grandes obras públicas começaram a ser construídas pelas autoridades civis. Assim muitas outras questões interessantes se levantam, como sejam o desvendar da organização e métodos aplicados na sua construção sobre os quais ainda pouco sabemos. Todo o conhecimento de então foi entretanto perdido pelo homem, numa travessia do deserto que só viria a ser recuperado com o recente e súbito desenvolvimento tecnológico do século XX, se bem que muitos dos segredos construtivos continuem ainda por desvendar. Devido à sua durabilidade, as pontes romanas construídas em pedra são as únicas que chegaram até aos nossos dias, mas é um facto histórico que muitas das pontes romanas foram construídas em madeira (Pons Roboreus), assentes em pilares (Pons Sublicius). Infelizmente os vestígios dessas pontes são extremamente raros pelo que se torna difícil desvendar as técnicas utilizadas na sua construção. Sabemos que a madeira seria usada nas travessias mais acidentadas e quando se pretendia uma construção em tempo recorde. Por exemplo, em A Guerra das Gálias, Júlio César refere a construção de uma ponte em madeira sobre o rio Reno em 10 dias (!). Em Portugal não sabe se existiam pontes deste tipo, embora se possa suspeitar da sua existência em algumas travessias onde não temos vestígios de qualquer ponte em pedra apesar de aí passar seguramente a via romana, mas nestes casos é mais provável que a travessia se fizesse por barcas, um sistema que perdurou até ao século XX.

 

Uma cartilha de construção

 Espalhadas pela Europa e Norte de África, estas obras mostram uma cartilha de construção comum, traduzindo os conhecimentos da época que nos seus princípios gerais, tem permanecido inalterada até aos dias de hoje. Da surpreendente Ponte de Alcântara sobre o rio Tejo, próximo da fronteira Luso-Espanhola de Castelo Branco, à incrível Pont du Gard, ponte-aqueduto sobre o rio Gard em Nimes, passando pela Ponte di Nona, na Via Prenestina em Roma.

 

Puente de Alcântara, Espanha.    Ponti di Nona, Itália.       Pont du Gard, França.

 

 

Partindo de um único módulo base, um arco de volta perfeita assente em dois pilares, era possível construir pontes nos mais variados terrenos, com duas vias, perfeitamente planas e pavimentadas para tráfego rodado. Pegando nesse módulo é possível alterar a dimensão do arco e do pilar de modo a ajustar-se ao local, mas mantendo as proporções entre ambos e assim garantindo a sua robustez sem comprometer a sua horizontalidade.

 

 Ponte de Alcântara

 

 Esta técnica pode ser observada na Ponte de Alcântara que é sem dúvida o monumento mais importante da rede viária que sobreviveu até aos nossos dias. Para nossa sorte a ponte é facilmente acessível a partir de Portugal porque está localizada junto à fronteira Luso-Espanhola de Segura, a 20 km de Castelo Branco.

 

 •variando o número de arcos obtém-se a extensão necessária.

 

 

As Marcas de Fórfex

 

Uma das características mais relevantes para atestar a origem romana destas pontes são as Marcas de Fórfex. Estas são pequenas cavidades em lados opostos dos blocos de pedra, permitiam a entrada do fórfex, ou tenaz, da grua mecânica para levantamento e colocação em posição dos blocos usados na construção da ponte.

 

 

 A aplicação de tecnologia avançada, recorrendo a maquinaria pesada, permitia erguer uma ponte com grande rapidez com um número limitado de homens. A velha tradição do uso massivo de mão-de-obra escrava não tem cabimento à luz do que sabemos hoje. Assim muitas outras questões interessantes se levantam, como sejam o desvendar da organização e métodos aplicados na sua construção.

 

Que futuro para a tecnologia romana

 A tecnologia romana de construção de pontes guarda ainda muitos segredos por desvendar porque para além da eficácia óbvia da suas obras, como a durabilidade e a usabilidade, a sua eficiência é no entanto ainda mais surpreendente porque os meios utlizados são bastante reduzidos em face dos resultados, com métodos como a modularidade, a utilização de materiais locais e retirando a energia movente da força motriz dos rios, alimentando assim a maquinaria de apoio à construção. Todo este conhecimento foi entretanto perdido pelo homem, numa travessia do deserto que só viria a terminar nos nossos dias com o recente e súbito desenvolvimento tecnológico. No entanto, o modelo energeticamente eficiente da tecnologia romana continua a ser um verdadeira solução de sustentabilidade que nos poderá ser muito útil no futuro.

 

Os documentos

 

 Das fontes originais resta:

 

O Itinerário de Antonino (Itinerarium Antonini) é sem dúvida o documento mais importante para o estudo das vias romanas. Trata-se de uma compilação de itinerários entre as principais cidades do império indicando a sequência de estações de paragem ao longo da via e indicando as distâncias em milhas entre elas. Estas estações ou mansiones localizavam-se na berma da via para apoio aos viandantes pelo que nem sempre correspondem a povoados importantes, ao contrário das descrições das civitates encontradas noutros documentos como em Plínio, Estrabão e Mela) pois também existiam mansiones em zonas mais despovoadas. Dessa forma algumas das estações indicadas eram travessias de rios (como a estação Ad Atrum flumen, a oriente de Évora) ou pontes importantes (como a Ponte Neviae dos itinerários Braga-Astorga) ou próximo de pequenos vici que por essa razão, ainda hoje não conhecemos a sua localização. De facto, hoje sabemos que algumas destas estações estavam próximas de pequenos povoados, mas junto à via pelo que a localização exacta destas estações é muito difícil. (as mutationes são aparentemente ignoradas). A versão que chegou até nós é uma cópia medieval do original escrito no séc. III d.C. O seu estudo tem levantado sérias dúvidas sobre a exactidão das estações e distâncias mencionadas, sendo provável que os copistas tenham cometido erros na sua transcrição ou até introduzido correcções segundo as suas interpretações. A edição mais conhecida do itinerário foi publicado em Berlin no ano de 1848 pelos editores Gustav Parthey e Moritz Pinder com o título «Itinerarium Antonini Augusti et Hierosolymitanum»pode ser lida aqui.

 

O Corpo de Inscrições Latinas (Corpus Inscriptionum Latinarum ou CIL) é uma compilação de inscrições latinas iniciada pelo historiador alemão Theodor Mommsen em 1857. Este pediu ao seu discípulo, o epigrafista alemão Emil Hübner, para viajar para a Hispânia afim de fazer o levantamento relativo a esta região. Como resultado dessa viagem que decorreu de Março de 1860 a Outubro de 1861, é publicado em 1869 o Volume II do CIL designado por Inscriptiones Hispaniae Latinae ou CIL II. Posteriormente, em 1871, Hübner publica o Noticias archeologicas de Portugal (ver aqui em pdf - 9,8 Mb) A descoberta de novas inscrições levou Hübner a fazer mais três viagens na década de 80 das quais resultariam a publicação do Supplementum em 1892. No Corpus Inscriptionum Latinarum são referidos os miliários conhecidos na época, alguns dos quais já desaparecidos, pelo que esta obra constitui um documento crucial no levantamento da rede viária romana.

 

 A Corografia de Pompónio Mela (Pomponii Melae) foi escrita no ano 43 a.C. com o título Uma Descrição do Mundo (De Situ Orbis) sendo também conhecida por De Chorographia. Sendo originário da vizinha Baética, Mela descreve algumas cidades da Lusitânia no capítulo Hispaniae Ora Exterior. Ver aqui o seu mapa-múndi.

 

A História Natural ( Naturalis Historiae) de Caio Plínio o Velho (Caius Plinius Secundus), obra primordial em 37 livros, onde se descrevem as principais características geográficas das províncias do império romano, enumerando povos, cidades e rios. Não há referências à rede viária mas a indicação das fronteiras e respectivas distâncias, permite-nos deduzir a localização de algumas estações viárias e a sua articulação. Ler em Latim no site de Lacus Curtius e uma tradução para Inglês do site Perseus. Ver também a tradução para italiano de Lodouico Domenichi na biblioteca da FLUL; Em relação ao território português podemos ler uma breve descrição sobre o noroeste da Hispânia (Livro IV - Cap. 34) e um capítulo sobre a Lusitânia (Livro IV - Cap. 35), além de muitas outras referências que foram profundamente estudadas por Amílcar Guerra na sua obra «Plínio-o-Velho e a Lusitânia» (ver bibliografia). Nesse capítulo apresenta a seguinte descrição da Lusitânia:

 

 Começa por uma descrição geral «Universa provincia dividitur in conventus tres, Emeritensem, Pacensem, Scalabitanum, tota populorum XLV, in quibus coloniae sunt quinque, municipium civium Romanorum, Latii antiqui III, stipendiaria XXXVI. coloniae Augusta Emerita, Anae fluvio adposita, Metellinensis, Pacensis, Norbensis Caesarina cognomine; contributa sunt in eam Castra Servilia, Castra Caecilia. quinta est Scalabis quae Praesidium Iulium vocatur. municipium civium Romanorum Olisipo, Felicitas Iulia cognominatum. oppida veteris Latii Ebora, quod item Liberalitas Iulia, et Myrtilis ac Salacia, quae dixmu»(«Toda a província divide-se em três circunscrições, Emeritense, Pacense e Escabilitano, totalizando 45 povoações, entre as quais 5 são colónias, um é município com cidadania Romana, 3 detêm os antigos direitos Latinos e 26 são tributárias. As colónias são Augusta Emerita, situada junto do rio Guadiana, Metallinum, Beja e Cáceres, cognominada de Cæsariana. A quinta colónia é Scallabis, também chamada de Præsidium Julium. Lisboa, cognominada de Felicitas Julia, é Município com cidadania romana. As cidades com os antigos direitos Latinos são Évora, também chamada de Liberalitas Iulia, Mértola e Alcácer, já mencionadas anteriormente.»)

 

Segue-se uma extensa, mas não exaustiva lista de populi e civitates da Lusitânia, «Stipendiariorum quos nominare non pigeat» («entre os tributários que merecem ser mencionados estão os) «Augustobrigenses, Aeminienses, Aranditani, Arabricenses, Balsenses, Caesarobrigenses, Caperenses, Caurienses, Colarni, Cibilitani, Concordienses, Elbocori, Interannienses, Lancienses, Mirobrigenses qui Celtici cognominantur, Medubrigenses qui Plumbari, Ocelenses, Turduli qui Bardili et Tapori», cujas capitais e limites territoriais continua ainda em parte por decifrar. Ver abaixo listagem de povos romanos.

 

A Cosmografia do Anónimo de Ravena (Ravennatis Anonymi Cosmographia), obra em cinco volumes escrita no séc. VII d.C. por um desconhecido monge do Mosteiro de Ravena, provavelmente a partir de um original romano do qual se desconhece o paradeiro. O documento enumera as cidades e povoados existentes em cada região do império e apesar de não indicar as distâncias entre si é possível fazer um paralelismo entre a sequência com que são listadas com a sequência de estações viárias apresentadas no Itinerário de Antonino pelo que se torna um documento muito importante para o estudo das vias romanas. Ver aqui uma reconstrução do seu mapa-múndi.

 

 A Geografia (Geographia) de Cláudio Ptolomeu (Claudius Ptolemaeus) escrito no séc. II d.C., contendo as coordenadas geográficas das cidades e rios do mundo conhecido da época, incluindo a Lusitânia e a província Tarraconense. Ver aqui uma reconstituição de um mapa-múndi e de um mapa da Hispânia baseado nas suas coordenadas.

 

 A Geografia (Geographia) de Estrabão (Strabo), obra em 17 Livros, escrita no ano 17 d.C. Em 1878 Gabriel Pereira publicou uma tradução em «Descrição da Península Ibérica Livro 3º da Geografia de Strabão». Ver aqui a reconstituição do seu mapa-múndi.

 

 O Papiro de Peutinger ou Tabula Peutingeriana é uma cópia de um mapa romano com 7 m de comprimento efectuada em 1265 por um monge alsaciano e descoberto em 1508 por Konrad Peutinger (1465-1547) em Viena. A partir daí tomou o seu nome e passou a ser chamada de Tabula Peutingeriana. Segundo Konrad Miller que fez a primeira edição moderna em 1887, o mapa teria sido baseado num mapa-múndi de Castorius (séc. IV) sem muita fundamentação. Infelizmente o mapa não dispõe de dados sobre o território português pois falta a primeira folha onde estaria representada a Península Ibérica e a parte mais ocidental das Ilhas Britânicas. Estando mais exposta ao uso, esta primeira folha papiro acabou por chegar ao século XVI já irremediavelmente danificada. (ver aqui a hipotética reconstituição de Konrad Miller).

 

 O Itinerário de Barro de Astorga ou Tabellae de Astorga é um conjunto de quatro placas de argila, em exposição no Museu Arqueológico das Astúrias em Oviedo, contendo cada uma um itinerário da Hispânia romana, dos quais só uma contém um itinerário que passa em território nacional, a Via Asturicam ad Bracaramna Tábua IV,. Apesar da sua autenticidade ter sido sempre muito contestada, alguns historiadores como Antonio García Bellido e Albert Tranoy sustentam a sua autenticidade. Ver trabalho de Antonio García y Bellido, publicado em 1975

 

 O Itinerarium Gaditanum ou Itinerário de Gades, gravado no séc. I d.C. em quatro vasos de prata cilíndricos, chamados Vasos Apolinares por terem sido descobertos em 1852 no lago das termas Aquae Apollinares em Vicarello, perto de Roma, descreve a rota entre esta cidade e Gaditana, a actual Cádiz, pelo que também não se refere ao território Português.

 

 O De architectura ou Tratado de Arquitectura, escrito por Marcus Vitruvius Pollio, é sem dúvida o livro mais importante sobre tecnologia romana que chegou até nós. Obra escrita em dez volumes no primeiro século da nossa era. Infelizmente o autor não se refere especificamente à construção de vias, embora num capítulo sobre pavimentos aborde alguns dos princípios construtivos comuns à construção de estradas. (Ler aqui a versão original em Latim, uma tradução para Inglês ou esta tradução para Castelhano)

 

Para um maior aprofundamento do tema arquitectura e da engenharia romana ver o trabalho de Isaac Moreno Gallo.

 

Novo Curiosamente, um obra tão importante para o mundo cotemporâneo esteve sem edição em Português até 2007, ano em que Justino Maciel publicou a sua excelente tradução. - ver aqui notícia.

 

O Papiro de Artemidoro é um rolo de 2,5 m do séc. I a.C. descoberto em 1994 em Antaiopolis no alto Egipto e que apresenta um mapa da Península Ibérica, mas infelizmente não existe qualquer legenda que revele o nome dos rios, estradas e cidades nele representadas. Tornou-se assim na carta geográfica mais antiga que se conhece da antiguidade e claro também a mais antiga representação da Península Ibérica. O papiro contém também uma transcrição em grego do prólogo do Livro II da monumental obra em 11 volumes do geógrafo grego Artemidoro de Éfeso, intitulada Geographoumena hoje desaparecida e que apenas se conhecia por citação de outros autores posteriores como Estrabão. Neste texto é apresentada uma descrição geográfica da Hispânia, percorrendo os principais pontos do périplo marítimo pelo que as distâncias são apresentadas em stadia. Ver a leitura do texto feita por Luis Fraga da Silva

 

 

 O Portugaliae Monumenta Historica (PMH) é uma compilação de documentos históricos organizada por Alexandre Herculano e publicada pela Academia Real das Ciências de Lisboa em quatro grandes tomos entre 1856 e 1888, incluindo uma colecção de 952 documentos do século IX ao XII recolhidos nos cartórios conventuais do país, os «Cartularios», agrupados sobre o título de Diplomata et Chartae (DC), contendo variadíssimas informações com relevância para o estudo da viação romana porque neles há muitas referências a velhas estradas em expressões como Karraria Antiqua, Via Antiqua ou Via Mourisca.

 

Fonte:  http://viasromanas.planetaclix.pt/vrinfo.html

publicado por luiscatina às 18:20

Caros Srs,
Verifiquei que copiaram partes de meu site sobre Vias Romanas em Portugal para este blog. Agradeço que façam menção a esse facto, mencionando a fonte que utilizaram Nome e site: http://viasromanas.planetaclix.pt/vrinfo.html
Caso o não queiram fazer agradeço que retirem o texto do vosso blog

Cumprimentos,
Pedro Soutinho
Pedro Soutinho a 30 de Setembro de 2013 às 14:41

mais sobre mim
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


pesquisar
 
blogs SAPO