Dezembro 08 2011

 

Catina Mundi Dezembro 2011

Dezembro 09 2011

BOLETÍM CULTURAL

 CATINA MUNDI


 

  Boletim de letras, ideias, diálogos e crítica

  Casa México- Aljuriça (Portugal)

   Casa de Mexico, casa de la cultura, donde los libros son la verdadera Universidad.

  (O primeiro Boletim electrónico publicado na Freguesia de Cadima para o Mundo)

 

 

            

…Para las niñas y  niños de Portugal, México, Costa Rica,  Hispanoamérica e America Portugueza es esta publicación mensual…

 

* Porque o mundo me empurrou/ Caí na lama, e então/ Tomei-lhe a cor, mas não sou/ A lama que muitos são.                       ( António Aleixo)

“ Há tantos burros mandando/ Em  homens de inteligência/ Que as vezes fico pensando/ Que a burrice e uma ciência “    ( Antonio Aleixo )

Arre burro, arre burro, arre burro…………….  ( B. Costa )

“ Ao refugiar-me nos livros aprendi a fugir do mal sem o experimentar”

                                                                              Camilo C. Branco

*“Procurando o bem para os nossos semelhantes encontramos o nosso”

                                                                               Platão

 "A leitura para mim sempre foi uma fonte de prazer, e gostaria que isso fosse uma coisa generalizada."      "Um país se faz com homens e com livros"

Monteiro Lobato

                          

PUBLICAÇÃO  MENSAL, em  PORTUGUÊS e CASTELHANO,  QUE TEM  COMO  OBJECTIVO A PUBLICAÇÃO DE TRADUÇÕES DE TEXTOS DE AUTORES  PORTUGUESES, CASTELHANOS E LATINO-AMERICANOS, RESENHAS DE PUBLICAÇÕES RECENTES  E PASSADAS E NOTÍCIAS SOBRE EVENTOS CULTURAIS D’AQUÉM E D’ALÉM MAR.

www.gandrasmexicocostarica.blog.sapo.pt

 

Presentación

Boletín de periocidad mensual  aparece en septiembre de 2009  como fruto del amor por las letras luso-mexicanas. El objectivo esencial de Casa  México  es coadyuvar  en la promoción y en la difusión de las literaturas clásica y contemporânea.  Dicha publicación llega a los cuatro rincones del mundo  por InterNet.

 

 

 

 

Catina Mundi recorda Matilde Rosa Araújo, a escritora que revestiu as páginas dos seus livros com perfume de rosas silvestres para as crianças dos quatro cantos do mundo.(1921-2010 )

Nunca e tarde para prestar homenagem  a quatro ilustres  e talentosas figuras do nosso Pais  que deixaram marcas no Mexico.  São elas: Joao RodriguesCabrilho ou Juan Rodriguez  Cabrillo, Beatriz Costa, Fidelino de Souza Figueiredo e Joaquim de Carvalho Montezuma.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EDITORIAL

 

 

*NOTA:   Deve ler-se Estocolmo e não OSLO.

 

 

 

 

 

 

 

 

Lecciones de literatura

Por Luisa Bonilla

 

La Editorial Limusa publicó un libro titulado Literatura hispanoamericana. Se trata de un libro de texto que deberá servir para que los estudiantes de preparatoria y sus maestros finjan durante un año que les interesa leer.

En un país que se afana laboriosamente en la formación de lectores, es muy simpático que  la invitación a hacerlo se exprese en párrafos como los que siguen, copiados tal cual: 

En el Perú, César Vallejo representa la fuerza de las nuevas estéticas fincada en una poesía de tonos dramáticos como dramática fue la vida misma del poeta, desterrado por sus ideas políticas, son éstas, parte fundamental de sus temáticas.  

A Juana de Ibarborou la vemos crecer, madurar y envejecer a lo largo de sus libros de poemas porque ella es el eje central de su poesía.

Alfonsina Storni es un alma convulsa y apasionada. En ella confluyen sentimientos encontrados; el amor y el rechazo al hombre, la necesidad del varón y el orgullo de mujer que se opone a la sumisión crean una poesía que atrae precisamente por la angustia que la contradicción ofrece. Su vida terminó en un cansancio infinito y en una búsqueda obsesiva de la muerte, se suicidó metiéndose al mar.

La nueva realidad social [posterior a la revolución] necesitaba una forma de expresión representativa de sus nuevas perspectivas. Una de esas perspectivas fue el pueblo, la clase menos favorecida surge a la literatura en forma tridimensional.

Confieso que he vivido es desde su título, una declaración de principios porque efectivamente la obra de Neruda refleja eso, un caudal de experiencias de vida que son las que dan intensidad a su obra.

Octavio Paz es un poeta exigente que se obliga así mismo mucho más allá de un instante de inspiración; pretende vivir con intensidad la experiencia poética para recuperar la totalidad de ella. El hombre, Adán expulsado del Paraíso, busca la reconciliación de su cuerpo con su alma y de ésta con Dios a través de la poesía; y como el vehículo de la poesía es la palabra, en ella cifra Paz la magia y el encanto de lo poético.

El futuro no existe, ni en la novela Pedro Páramo ni en los cuentos de El llano en llamas porque la narrativa de Rulfo es fatalista. Presenta a una sociedad corrompida por la ambición, el sexo, la miseria, la guerra, la impiedad y la traición, por eso es un mundo irredento, degradado socialmente. El mundo de Rulfo no sólo es México, es la sociedad contemporánea en general.

El libro es de la autoría de la Dra. Lourdes Franco Bagnouls, coordinadora del “Seminario de Edición Crítica de Textos” del Instituto de Investigaciones Filológicas de la UNAM y miembro del Sistema Nacional de Investigadores (SNI).

¿Se puede no ser fatalista? 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

AMÉRICA PRÉ COLOMBIANA - POVOS DA MESOAMÉRICA

Por História História Nota: 

 

Resumo

Maias:

 

A civilização Maia ocupava as planícies de Iucatã, quase toda a Guatemala e o ocidente de Honduras. Principais cidades: Palenque, Copan e Tical.

A organização política era baseada em cidadesestados e não como um Império.

A teocracia era a base do regime político onde o líder (Halach Uinic), que era responsável pela política externa e interna.

A sociedade Maia constituíase como uma sociedade de classes onde a elite dominante, de caráter hereditário (militares e sacerdotes), exercia seu poder sobre camponeses que viviam em estado de servidão coletiva.

O comércio era prolífero nos centros urbanos, sendo o comerciante muito respeitado na sociedade.

Sociedade dividida em: Imperador, sacerdotes, nobreza, comerciantes, guerreiros, artesãos, escravos e camponeses.

A religião e a arquitetura canalizavam toda a produção cultural.

O “Império” Maia entra em decadência a partir do século X e é conquistado definitivamente em 1546.

 

Astecas:

 

Localização geográfica: América Central, planalto do México.

Principais cidades: Tenochtitlan (capital) e Tlalecoco.

A sociedade era composta por: Imperador, sacerdotes, guerreiros, comerciantes, artesãos, camponeses e escravos.

Agricultura como base da economia, havendo um comercio de importância.

Produtos agrícolas: milho, feijão, algodão, tomate e tabaco.

A terra era coletiva e o camponês pagava seus impostos com produtos cultivados e com serviços prestados ao Estado.

Existia a escravidão por dívida ou apresamento em guerra.

A mulher ocupava um posto subalterno na sociedade sendo permitida a poligamia.

As guerras possuíam além de um motivo político, um motivo religioso.

O sistema tributário das comunidades conquistadas era frágil devido a não incorporação dessas pelo Império.

O calendário asteca possuía um ciclo que se findava a cada 52 anos; um desses ciclos coincidiu com a chegada dos espanhóis.

 

Tarefa:

 

1 Em relação a escravidão nas civilizações précolombianas

podemos afirmar que;

 

a) Os Astecas viam a escravidão como uma forma barbara de relação social.

b) A purificação da alma ocorria pelo castigo do escravo faltoso.

c) Para os Maias o não pagamento de uma dívida poderia ser punido com a escravidão do devedor.

d) Para os Astecas o escravo era uma mercadoria de troca comum nas relações comerciais.

e) O prisioneiro de guerra era submetido a escravidão somente na civilização Maia.

2 - Na sociedade asteca a religião estava presente em muitos aspectos da vida cotidiana. Diferente das sociedades européias os astecas desenvolveram práticas que pareciam estranhas e até mesmo bárbaras para os olhos dos “civilizados”. Indique a alternativa falsa quanto à religiosidade asteca:

 

a) A bebida alcóolica era usada exclusivamente pelos sacerdotes em cerimonias religiosas, aquele que consumisse tal bebida, sem autorização previa, poderia ser punido com a morte.

b) O alimento, por sua escassez, era considerado não só importante mas sagrado, sendo que sua consagração fazia parte dos rituais religiosos.

c) O Imperador asteca era visto como um deus para a população, seu poder era divino e suas decisões supremas.

d) Para os astecas a mulher era sagrada, símbolo da fertilidade e da vida.

e) A guerra possuía a função de captura de indivídu  os, que seriam usados para o sacrifício humano em festejos e consagrações religiosas.

 

Tarefa Complementar:

1(FATEC–2001) Com relação ao comércio desenvolvido pelos astecas podemos destacar que:

 

 

a) Estes contavam com várias estradas utilizadas no comércio feito por caravanas de lhamas, no deslocamento de soldados e mensageiros.

b) Em seus mercados existiam fiscais que verificavam se os pesos e medidas eram falsos e se as mercadorias eram de boa qualidade.

c) Embora ocorresse a permuta era comum a utilização de sementes de cacau ou lingotes de cobre como moeda.

d) Os comerciantes, também chamados de “pochtecas” por serem espiões, não possuíam nenhum privilégio, sendo considerados uma classe inferiorizada.

e) A cidade de Tenochtitlãn, apesar de uma vida urbana muito movimentada, não possuía um centro comercial ativo.

 

2 ­ "Os guerreiros constituíam um dos grupos mais importantes na sociedade asteca. No início, eram

 

escolhidos entre os indivíduos mais corajosos e valentes do povo. Com o tempo, entretanto, a função de guerreiro começou a ser passada de pai para filho, e apenas algumas famílias, privilegiadas, mantiveram o direito de ter guerreiros entre os seus membros."

(KARNAL, Leandro. A CONQUISTA DO MÉXICO. São Paulo: FTD, 1996. p. 13.)

 

O texto faz referência à sociedade asteca, no século XV, a

qual era:

a) guerreira e sacerdotal, formada de uma elite política que governava com tirania a massa de trabalhadores escravos negros.

b) igualitária e guerreira, não reconhecendo outra autoridade senão a sacerdotal, que também era guerreira.

c) comunal, com estruturas complexas, sendo dirigida por um Estado que contava com um aparelho administrativo, judiciário e militar.

d) hierarquizada e guerreira, visto que o Imperador era, ao mesmo tempo, o general do exército asteca e o sumo pontífice sacerdotal.

e) igualitária, guerreira e sacerdotal: todo guerreiro era um sacerdote e todo sacerdote era um guerreiro.

 

3 ­ (UNICAMP1994)

a) A respeito dos Astecas, comente as características urbanas de Tenochtitlán.

b) Por que foi fundamental para os espanhóis construir a cidade do México sobre Tenochtitlán?

 

 

Por: AngloVinci

publicado por luiscatina às 16:50

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO