Maio 01 2013

BOLETÍM CULTURAL

CATINA MUNDI

 

 

LA FINALIDAD DE ESTE BOLETÍN, BIEN DEFINIDA EN SU PROPIO TITULO , OBEDECE MÁS A UN SENTIMIENTO DE PATRIOTISMO CULTURAL QUE DE INTERÉS MATERIAL.

 

  Boletim de letras, ideias, diálogos e crítica

  Casa México-- Aljuriça  (Portugal)

   Casa de Mexico,  casa de la cultura, donde los libros son la verdadera Universidad.

  (O primeiro Boletim electrónico publicado na Freguesia de Cadima para o Mundo)

 

       

…Para las niñas y  niños de Portugal, México, Costa Rica,  Hispanoamérica e America Portugueza es esta publicación mensual…

                         

PUBLICAÇÃO  MENSAL, em  PORTUGUÊS e CASTELHANO,  QUE TEM  COMO  OBJECTIVO A PUBLICAÇÃO DE TRADUÇÕES DE TEXTOS DE AUTORES  PORTUGUESES, CASTELHANOS E LATINO-AMERICANOS, RESENHAS DE PUBLICAÇÕES RECENTES  E PASSADAS E NOTÍCIAS SOBRE EVENTOS CULTURAIS D’AQUÉM E D’ALÉM MAR.  (GANDRASMEXICOCOSTARICA.BLOGS.SAPO.PT)

Presentación

Boletín de periocidad mensual  aparece en septiembre de 2009  como fruto del amor por las letras luso-mexicanas. El objectivo essencial  de Casa  México  es coadyuvar  en la promoción y en la difusión de las literaturas clásica y contemporânea.

 

 

Catina Mundi recorda Matilde Rosa Araújo, a escritora que revestiu as páginas dos seus livros com perfume de rosas silvestres para as crianças dos quatro cantos do mundo.(1921-2010 )

Nunca e tarde para prestar homenagem  a quatro ilustres  e talentosas figuras do nosso Pais  que deixaram marcas no Mexico.  São elas: Joao RodriguesCabrilho ou Juan Rodriguez  Cabrillo, Beatriz Costa, Fidelino de Souza Figueiredo e Joaquim de Carvalho Montezuma.

 

 

Pêro da Covilhã

 

Pêro da Covilhã, também escrito Pedro de Covilhã, ou Covilhão (nascido em 1460 c., Covilhã, Portugal, morreu depois de 1526), no início Português explorador da África, que estabeleceu as relações entre Portugal ea Etiópia.

 

Como um menino, Pêro serviu o duque de Medina-Sidonia em Sevilla (Sevilha), durante seis ou sete anos, voltando a Portugal com o irmão do duque falecido em 1474 ou no início de 1475, quando passou para o serviço de D. Afonso V, em primeiro lugar como júnior escudeiro e depois como escudeiro, servindo com cavalo e armas. Ele acompanhou o rei quando ele reivindicou o trono castelhano e foi proclamada em Plasencia, e ele estava presente na batalha de Toro. Ele também acompanhou o rei em uma viagem infrutífera para a França para procurar ajuda de Louis XI. Com a morte de Afonso, Pêro servido seu filho João II como um escudeiro da guarda real e foi contratado como um mensageiro confidencial para a Espanha. Ele foi enviado em duas missões ao norte da África, um, sob o disfarce de um comerciante, para procurar a amizade do governador de Tlemcen, e outro para Fez para comprar cavalos de Dom Manuel, mais tarde rei (como Manuel I).

João II esperava lucrar com o comércio de especiarias da Índia e de fazer contato com o governante cristão da Abissínia (Etiópia), identificado com o Preste João semimythical. Abissínios já tinha visitado Roma e mesmo da Península Ibérica. John tinha enviado Diogo Cão (Diogo Cam) ao longo da costa oeste da África, e ele tinha descoberto o Congo e navegou mais além, mas a sua crença de que ele tinha chegado ou estava prestes a chegar a capa revelaram-se infundados. John, então, ordenou Bartolomeu Dias para prosseguir explorações de Cao. Ele também decidiu enviar os viajantes por terra para informar sobre a localização e comércio da Índia e Abissínia. Este movimento pode ter resultado de denúncias recebidas em 1486 no Benin (um reino na costa oeste da África), referindo-se a um grande governante longe para o leste. Pêro foi escolhido para a missão para a Índia, e Afonso de Paiva, um escudeiro que falava árabe, foi buscar Preste João e descobrir uma rota da Guiné para a Abissínia. Os homens deixaram Portugal maio 1487 com cartas de crédito de banqueiros italianos, chegaram a Barcelona e partiu para Nápoles e Rodes, onde assumiu o disfarce de comerciantes de mel e partiu para Alexandria. Tornaram-se doente, e seus produtos foram apreendidos, mas eles compraram outros bens e foi para o Cairo, juntando um grupo de norte-africanos viajam para Aden. Há separados eles, Pêro indo para a Índia, chegando a Cananor, Calicut e Goa. Ele então retornou para Ormuz, na Pérsia, em algum momento entre outubro de 1489 e março 1490. Enquanto isso, Afonso de Paiva tinha chegado Abissínia. Os dois tinham propostas para atender a Cairo. Pêro chegou o fim de 1490 ou início de 1491 e recebeu a notícia da morte de seu companheiro. Enquanto isso, João II tinha enviado dois mensageiros ao Cairo para instruir Pêro voltar quando a missão foi concluída. Pêro escreveu uma carta a John sobre suas experiências e continuaram a Abissínia. Um dos mensageiros acompanhou a Ormuz, onde eles se separaram. Pêro fez o seu caminho até o Mar Vermelho. Disfarçado como um muçulmano, ele visitou Meca e Medina. Ele também viu o Monte Sinai, atingindo Zeila em 1492 ou 1493, onde ele passou por caravana para a Abissínia, onde ele estava destinado a passar o resto de sua vida.

Pêro foi recebido pelo governador da Abissínia, o Imperador Eskender, e foi bem tratada e fez governador de um distrito. Ele não foi, no entanto, autorizado a deixar o país. Alguns anos depois, o regente da Abissínia, a rainha Helena, enviou um armênio chamado Mateus de Portugal. Ele chegou a Afonso de Albuquerque em Goa em 1512 e estava em Portugal, em 1514. Foi então que decidiu enviar uma embaixada Português para a Abissínia. O primeiro embaixador morreu, e seu sucessor, Dom Rodrigo de Lima, e seu partido saiu da Índia no campo do imperador 1517 e, finalmente, alcançado em Dezembro de 1520. Eles descobriram Pêro velho, mas robusto, e ele serviu como guia e intérprete. Quando eles voltaram em 1524, Pêro e sua esposa e família acompanhou-os para uma parte do caminho, e ele enviou o seu 23-year-old filho de Dom Rodrigo de ser educado em Portugal.

 

 


Breve biografía de Fray Bernardino de Sahagún 


Nace entre 1498 y 1500, Bernardino de Ribera en el pueblo leonés de Sahagún.

Fray Bernardino de Sahagún ingresa a la universidad de Salamanca el año de 1512 en donde aprendió y se actualizó en filosofía, teología, gramática, retórica y lenguas clásicas.

Ingresa a la orden de San Francisco en 1520 y en 1526 hace sus votos religiosos. Influenciado por el cardenal Jiménez de Cisneros concuerda con él en practicar dos principios fundamentales de la orden: pobreza y piedad.

Fray Bernardino de Sahagún llega en 1529 ala Nueva España con la misión de evangelizar a los habitantes originarios. El franciscano es enviado al Convento de Tlalmanalco, lugar en que aprenderá la lengua indígena.

En 1535 participó en la fundación del convento de Xochimilco y un año después en el Imperial Colegio de Santa Cruz de Tlatelolco para indios jóvenes hijos de caciques. En él enseñó a los indígenas latín por cuatro años y se preocupó por traducir al náhuatl los manuales para misioneros Sermones de Dominicas y de Santo, el cual corrigió 30 años después.

En 1545, el misionero se traslada al recién fundado convento de Santiago de Tlatelolco para atender a los enfermos de matlazáhuatl, enfermedad que le es contagiada.

 

De 1558 a 1565, el fraile franciscano comienza varias obras de contenido religioso, de las cuales algunas las escribirá en lengua náhuatl, entre ellas podemos mencionar:PostillaCantares o Psalmodia cristian; Colloquios y doctrina christiana con que los doze frayles de San Francisco enbiados por el Papa Adriano Sesto y por el Emperador Carlos quinto convirtieron a los indios de la Nueva EspañaEvangelios y Epístolas.Asimismo, comenzará el proyecto de los doce librosque hoy se conocen como Historia General de las cosas de la Nueva España.

Cinco años más tarde, se celebró una reunión para revisar la obra y acciones de los monjes franciscanos. Deciden distribuir los doce libros inconclusos de Bernardino de Sahagún en los conventos de la Provincia del Santo Evangelio.

Tiempo después, Sahagúnescribe un Sumario o resumen de lo tratado en los doce libros y los envía a España con los frailes Miguel Navarro y Gerónimo de Mendieta para conseguir apoyo financiero y continuar el proyecto.

En 1573 se le comisionó para que renovara al antiguo colegio de Tlatelolco, el cual se hallaba semiabandonado y al borde de la ruina. Por esos días regresó a Nueva España fray Miguel Navarro con el cargo de Comisario General de los franciscanos, es decir, su nombramiento le confirió la autoridad para que ordenara que se concentraran de nuevo los doce libros y se le devolvieran a fray Bernardino, quien se propuso terminarlos en un año.

Al fin se le dio un nombre a la obra: Historia general de las cosas de la Nueva España, pero estaba escrita en náhuatl.

El sucesor de Navarro, Rodrigo de Sequera, le pidió a fray Bernardino que tradujera su Historia al castellano y que lo acomodara en dos columnas en cada página para que pudieran compararse ambas versiones.

La obra quedó terminada en 1577 pero al año siguiente, los franciscanos que se oponían al trabajo de fray Bernardino logran influir en Felipe III, quien ordena la decomisión de la obra y pide el traslado de los doce libros a España.

Entre 1585-1589 ocupó el cargo de primer definidor de la Provincia del Santo Evangelio. El 5 de febrero de 1590 murió en la ciudad de México sin haber visto publicada su Historia, pues no fue sino hasta 1829 que Carlos María de Bustamante sacó la primera edición en español.

Juan Rodriguez Cabrillo

            Cabrillo, Juan Rodriguez (? -3 Janeiro 1543) marinheiro mercenário, construtor naval, e aventureiro nasceu de pais desconhecidos em um local desconhecido, embora a idéia de que ele foi Português foi por muito tempo promulgado pelos estudiosos. O mais provável é que ele nasceu dentro de poucos anos do-of-the-century vez (1499-1500), como ele primeiro é registrado no México (1519), como um homem crescido, mas ainda não se casou.

            Identidade nacional de Cabrillo entrou em questão na década de 1960, as publicações começaram a aparecer, sugerindo sua herança era espanhol, ao invés de Português, a verdade aguarda a descoberta de um registro original de nascimento de Cabrillo. Apesar de não haver registro de sua passagem para a América foi encontrado, Cabrillo, presumivelmente, partiu para Cuba, na época sob o controle da brutal Diego Velasquez. Há Cabrillo deve ter sido exposto ao sistema de encomiendos, grandes propriedades trabalhadas por escravos índios locais ou pessoas indianos levados cativos em terras mais distantes e transportados para Cuba para o trabalho.

            Governador Velasquez tinha um desejo insaciável de maior riqueza e posse de terra. Ele convenceu Hernán Cortez para navegar para o continente mexicano, na esperança de alargar o sistema encomiendo, mas depois, de duvidosa lealdade Cortez ', Velasquez rescindido a comissão. Cortez partiu de qualquer maneira. Velasquez ficou indignado e enviou uma força para prender Cortez. A força, inclusive Cabrillo, logo capitulou a Cortez e se juntou a ele para fazer a guerra contra o império asteca. É aqui no México aquele disco verificável de Cabrillo aparece pela primeira vez.

            Cabrillo foi próximo documentado em 1521, ainda no serviço de Cortez, auxiliando na construção de uma frota de um e dois mastros de navios, quadrado-equipados destinados a navegar lago Texcoco. Cabrillo, dirigindo um contingente de homens, foi enviado para as montanhas acusados de colheita alcatrão de pinheiro para impermeabilizar os cascos dos navios.

            Recompensado por seu serviço por direitos de propriedade, escravos e uma mina de ouro próspero, Cabrillo em direção ao sul e transferiu sua lealdade para com Pedro de Alvarado, cobrado como Capitão Geral da Guatemala e comissionados para explorar os mares do sul. Cabrillo fez sua fortuna no serviço como navio construtor, magistrado e mestre porto de Alvarado. Durante este tempo Cabrillo pai de três filhos com sua esposa não identificado indiano e se estabeleceram em Honduras como um cidadão com o seu próprio interesse em um encomiendo em Cobán. Ele foi capaz de construir seu próprio navio neste momento. Kelsey (Kelsey 1991:31) citado Bartolomé de las Casas (1552) e Francisco de Torres (1564), que deu testemunho sob juramento de tratamento de Cabrillo do povo indiano hondurenhas. De las Casas de Cabrillo disse: "Ele se separou casas, levando as mulheres e meninas e dar-lhes para os soldados e marinheiros, a fim de mantê-los satisfeitos e trazê-los para a sua frota." Torres falou do trabalho manual, "Juan Rodriguez Cabrillo foi servido por muito aqueles índios. Ele tinha o controle deles, e eles serviram de carregando suprimentos para suas minas e transporte passo para um navio que Juan Rodriguez estava construindo. A testemunha viu isto muitas vezes. "Outro índio, Juan Ximénez, foi relatado por Kelsey (Kelsey 1991:31) como escravizado em minas de Cabrillo. Ele disse: "Ele estava no quadrilha que Juan Rodriguez teve nas minas tirando ouro. Ele viu os índios da Cobán servindo Juan Rodriguez como se pertencessem a ele. Trouxeram-lhe feijão, milho, pimenta e sal;. Panelas de barro e panelas e pequenas taças para pulque como fontes para os índios a trabalhar em suas minas "Além Cabrillo manteve uma troca lucrativa com o Peru.

            Cabrillo embarcou para a Espanha em 1532. Lá ele cortejou e se casou com Beatriz, que voltou com ele para sua fazenda e produziu um segundo conjunto de crianças. Quando veio o convite de Alvarado, agora em parceria com o vice-rei da Nova Espanha, para explorar a costa oeste da América do Norte e encontrar a tão sonhada Atlântico a passagem do Pacífico, Cabrillo estava pronto. Ele era o segundo em comando, sob Alvarado, e quando Alvarado foi morto em 1541, o vice-rei deu Cabrillo primeiro comando da expedição.

            Foi durante o último ano de sua vida, que Cabrillo iria ganhar um lugar na história do mundo, por ser o primeiro documentado europeu a navegar na costa ocidental da América do Norte. Seus navios navegavam no que é hoje Ensenada, Baja California, México no dia 17 de setembro e em Porto de San Diego em 28 de setembro, o dia da festa de San Miguel, em 1542. Até o 10 de outubro os navios chegaram ilhas eles nomeados Santa Catalina e San Clemente. Na Ilha de S. Miguel, no que hoje é chamado de Canal de Santa Bárbara, Cabrillo quebrou o braço em uma queda. Quão longe Cabrillo norte viajou depois que ele quebrou o braço é contestada por estudiosos, alguns pensam que ele levou sua equipe para o norte até Fort Ross, outros pensam que eles foram tão longe como o russo ou o Rogue River. No entanto, o norte iam, eles se voltaram para o sul novamente, aparentemente ausente San Francisco Bay e parando para passar os meses de inverno em São Miguel Island. Em todos eles atribuídos cerca de quarenta nomes de lugares, muitos para ser mais tarde renomeado por Viscaino, incluindo o porto de San Miguel, rebatizada, San Diego, o nome que carrega até hoje.

            O jogo de volta da viagem significou um desastre para a pequena flotilha, o clima manteve tripulações dos navios de ir a terra para reabastecer de alimentos, combustível e abastecimento de água. Forçado sempre para o sul, os homens estavam com fome e doentes, quando eles foram finalmente capazes de reprisar seu desembarque na Ilha de S. Miguel. Úmero de Cabrillo se recusou a curar e seu estado de saúde piorou e ele morreu na Ilha de S. Miguel. Robert Heizer uma vez que documentou uma pedra na Ilha de S. Miguel, que ele acreditava ser a lápide de Cabrillo, e assim, o mais antigo "relíquia histórica", na Califórnia (Lowie, 1972). Embora a idéia de que Cabrillo foi enterrado na Espanha foi favorecido por muitos anos, a maioria dos estudiosos aceita que ele foi enterrado em Alta Califórnia.

          Nenhuma cópia do log original da viagem de Cabrillo permanece. A conta só esquerdo foi compilado por um homem chamado Juan León e copiado em 1543 por Andrés de Urdaneta, embora o trabalho era tradicionalmente acreditado para o misterioso Juan Páez. Duas biografias completas foram escritos, o primeiro, de Henry Wagner Juan Rodriguez Cabrillo, descobridor da Costa da Califórnia, foi publicado em 1941 pela Sociedade Histórica de San Francisco, eo segundo, de Harry Kelsey Juan Rodriguez Cabrillo, foi publicado em 1986 pelo Huntington Library, San Marino, CA.

            A Sociedade Histórica Cabrillo em San Diego publicou vários volumes de documentos em vários aspectos da vida de Cabrillo ea história da influência européia na América do Norte e Sul, que incidem sobre as atividades de Cabrillo. Os volumes são A Era Cabrillo e sua viagem de descobrimento, editado por Carl Reupsch (1982) e Mundial de Cabrillo: uma edição comemorativa do Festival Cabrillo históricos Papers seminário (1991). O trabalho de Robert Heizer, mais velho relíquia histórica da Califórnia? foi publicado pela Robert H. Lowie Museu de Antropologia da Universidade da Califórnia, em Berkeley, em 1972.

            Outros estudiosos, além de Harry Kelsey (no mundo de Cabrillo) se preocuparam com a questão da identidade nacional Cabrillo. A principal delas são W. Michael Mathes "O Descobridor da Alta Califórnia: João Rodrigues Cabrihlo ou Juan Rodriguez Cabrillo," Journal of San Diego History 19 (Verão de 1973) :1-8 e Nacionalidade da F. Castelo Branco Cabrillo, Academia de Marinha, Lisboa (1987).

 

 

DESCUBRIMIENTOS PORTUGUEZES

 

 

Tratado de Tordesilhas garante a Portugal plenos direitos sobre a terra descoberta por Cabral 

erra de Santa Cruz é nossa. Tudo graças ao saudoso rei dom João II, conhecido como "Príncipe Perfeito", que governou o país de 1481 até sua morte, há seis anos, em 1495, em circunstâncias misteriosas. Com uma visão geopolítica à frente de seu tempo e grande habilidade diplomática, foi ele quem bateu o pé, nas conversações com a Espanha, para estender, a nosso favor, a linha divisória que definiu as áreas de influência de portugueses e castelhanos no vasto mundo ainda em grande parte por descobrir – exatamente a 370 léguas a ocidente do Arquipélago de Cabo Verde. O Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494, reza que as terras situadas a oeste da linha pertencem aos espanhóis e as que estão a leste são de Portugal. A terra descoberta pela expedição comandada por Pedro Álvares Cabral está nesse último caso. Não fosse a persistência de dom João II, o acordo teria sido assinado nos termos propostos pelos reis Isabel e Fernando – com o meridiano a apenas 100 léguas dos Açores ou de Cabo Verde – e neste momento teríamos de nosso apenas o mar. Negociado diretamente entre Portugal e Espanha, o Tratado de Tordesilhas é o responsável pela paz entre os dois países, que estava ameaçada desde que se tornou necessário dividir o mundo como uma laranja.

Durante toda a década de 80, a grande questão foi em que sentido deveria ser passada a faca. Se no horizontal, como queriam os portugueses, ou no vertical, reivindicação dos espanhóis. O Tratado de Alcáçovas-Toledo, assinado em 1479-80, refletia, de certa forma, o desejo de Portugal. Pelo acordo inicial, pertenceriam à Espanha todas as terras encontradas ao norte das Ilhas Canárias (veja os mapas acima). Foi o primeiro tratado do gênero que regulamentava a posse de terras ainda não descobertas. A Portugal interessava basicamente garantir direitos sobre a parte sul do Mar Oceano, na presunção, que se revelou acertada, de que por ali se conseguiria a passagem para as Índias.

 A abertura dessa rota de comércio tem sido a prioridade de Portugal desde os tempos do infante dom Henrique. Nos anos 80 estudavam-se duas possibilidades de chegar às Índias. Uma, pelo sul, contornando a África. A outra, navegando em direção ao poente, contornando o mundo. Ao chegar ao Cabo da Boa Esperança, em 1488, o heróico Bartolomeu Dias convenceu dom João II de que a alternativa mais rápida era a primeira. No dia em que o navegador, em audiência com o rei, lhe explicou as vantagens dessa rota, desenhando o caminho numa carta náutica, estava no palácio outro grande marinheiro, o defensor mais ardoroso da teoria contrária: o genovês Cristóvão Colombo. A partir do momento em que dom João II se definiu pelo projeto de Bartolomeu Dias, Colombo abandonou Portugal. Foi para a Espanha, que financiou seu projeto (veja reportagem). Em 1492, navegando na direção proposta por ele, descobriu as ilhas Fernandina, Isabela, Juana e Hispaniola. Contra todas as evidências, acreditava ter chegado ao rico Oriente, e disso convenceu os monarcas espanhóis, que passaram a empenhar seus consideráveis esforços em garantir todas as terras da banda ocidental do Mar Oceano.

O descobrimento de Colombo provocou uma reviravolta na divisão do mundo que havia sido feita até então. Por um motivo simples: pelo Tratado de Alcáçovas, em vigor até aquele momento, as ilhas estavam em território português, já que se situavam ao sul das Canárias. Consciente disso, dom João II reivindicou a posse das terras. Os reis da Espanha partiram para o contra-ataque usando a arma que tinham: sua influência no Vaticano. O papa Alexandre VI, espanhol de nascimento, deve favores ao rei Fernando de Aragão. A pedido dele e de sua intrépida mulher, a rainha Isabel de Castela, a grande patrocinadora de Colombo, o papa emitiu dois documentos, as chamadas bulas Inter-Coetera I e II. Elas dividiam as áreas de influência, com um claro favorecimento a seus conterrâneos (a partilha provocou o sarcástico comentário do rei Luís XII, da França: "Em que artigo de seu testamento Adão repartiu a Terra entre portugueses e espanhóis?" A segunda bula alexandrina estabelecia uma linha vertical a 100 léguas das Canárias como nova demarcação divisória do mundo.

Dom João II, mais uma vez, não se dobrou. Continuou sua estratégia de expressar o descontentamento de Portugal. Preparou-se ostensivamente para uma possível guerra e se aproximou da França, em disputa com a Espanha. De tanto pressionar, a Espanha aceitou negociações diretas, retomadas em 1494, quando dom João II fez sua reivindicação: concordava com a substituição da linha horizontal pela vertical, desde que esta se situasse a 370 léguas do Arquipélago de Cabo Verde. A justificativa: devido à impossibilidade de contornar a África em direção das Índias fazendo navegação costeira, era necessário um espaço de manobra para as naus. A Espanha acabou assinando o tratado graças a algumas compensações dadas por Portugal e ao relatório de Cristóvão Colombo, que voltava de sua segunda viagem asseverando que dificilmente haveria novas terras no espaço entre 100 e 370 léguas. Assim, o tratado foi assinado na cidade espanhola de Tordesilhas, em 7 de junho. É possível que ainda haja terras por descobrir do lado espanhol da divisão, mas por enquanto Tordesilhas joga a favor de Portugal.

 

O Tratado de Tordesilhas

 

O Tratado de Tordesilhas definiu as áreas de domínio dos territórios ultramarinos, entre Portugal e Espanha.

O Tratado, assinado em 1494, definia uma linha de demarcação localizada a 370 léguas a oeste do arquipélago de Cabo Verde, de pólo a pólo. Caberia a Espanha, as terras do lado ocidental, e a Portugal as do lado oriental.

Contexto Histórico

Pela bula papal Romanus Pontifex, de 1455, Portugal já teria direito a todas as terras ultramarinas conquistadas e a conquistar.

As disputas pelo trono de Castela e as aspirações espanholas por conquistas ultramarinas levaram Portugal e Espanha a assinar o Tratado de Alcáçovas, em 1479, buscando a paz na Península. A Espanha assegurava o direito às Ilhas Canárias. Portugal assegurava o direito às ilhas da Madeira e dosAçores, e aos territórios conquistados ou a conquistar, ao sul das Canárias, desistindo de Castela.

Interessante notar que, antes de Tordesilhas, o Tratado de Alcáçovas já dividia o mundo em duas partes entre portugueses e espanhóis, só que através de um paralelo, embora isso não estivesse claro no acordo. Assim, a conquista de terras ao norte das Canárias seriam, pelo acordo, de direito dos espanhóis, abrindo caminho para o descobrimento da América, patrocinado por eles.

Em 1492, Colombo teria desembarcado em terras portuguesas, segundo o Tratado de Alcáçovas. Toda a região do Caribe fica ao sul das Canárias. Portugal protestou. A Espanha alegou que a expressão "as ilhas de Canária para baixo contra Guiné", do Tratado de Alcáçovas, limitava-se à região da costa africana. Era necessário um novo tratado.

Desde meados do século 15 e início do século 16, os portugueses eram a maior potência marítima do Planeta. Os Tratados de Alcáçovas e de Tordesilhas sugerem essa supremacia, pois os espanhóis ficaram com a parte das terras desconhecidas, enquanto os portugueses dominavam a África, a Ásia e possivelmente já suspeitavam da existência do Brasil.

Diferentemente da maioria das grandes potências do passado, Portugal buscava assegurar seus territórios através de acordos e com a benção do Papa. Era tudo cuidadosamente documentado e guardado na Torre do Tombo.

A expansão espanhola pelo Atlântico, no final do século 15, teve muito da influência do papa Alexandre VI (também espanhol), que tendia em favor de Castela. Mario Puzo (1920-1999), autor da trilogia O Poderoso Chefão, acreditava que esse papa, da família Bórgia, tenha sido o fundador da Máfia italiana. Os portugueses conheciam o papa corrupto e exigiram dos espanhóis que Tordesilhas fosse celebrado sem sua participação. O acordo foi ratificado pela Igreja, apenas em 1506, pelo papa Júlio II.

 

Acima, parte do mapa de Luís Teixeira (cerca de 1574), indicando o meridiano de Tordesilhas (Linha da Demarcaçam). Observa-se que as distorções do mapa, principalmente na área sul, favorecem muito Portugal. A Linha de Tordesilhas passa convenientemente pelo Rio da Prata, indicando que o exagero foi provavelmente intencional. Desde a expedição de Martim Afonso de Sousa, em 1532, que os portugueses tentavam colonizar as terras da margem esquerda do Rio da Prata.

Embaixo, o meridiano de Tordesilhas em seu traçado mais conhecido, passando por Belém do Pará e Laguna - SC.

 

Meridiano Tordesilhas

 

Os Erros de Tordesilhas

Tordesilhas foi a primeira tentativa de delimitação de território em que a forma esférica da Terra fez grande diferença. O pioneirismo envolveu erros grosseiros e desafios conceituais para a época. O sistema de construção das cartas de marearusadas pelos portugueses e espanhóis, até o século 16, tinham base nas cartas náuticas do Mediterrâneo, em que não existia qualquer projeção cartográfica.

Não foi definido a partir de que ponto do arquipélago de Cabo Verde seria considerada as 370 léguas.

Para se ter uma idéia dos erros grosseiros que existiam, oPlanisfério de Cantino, de 1502, o primeiro mapa do Brasil conhecido, indica a Linha de Tordesilhas passando possivelmente pelas Guianas.

A delimitação das terras portuguesas, principalmente abaixo do trópico de capricórnio, não era consenso entre portugueses e espanhóis. A determinação das longitudes era um grande problema da época e explica, em parte, as distorções nos mapas de então.

Os portugueses sustentavam que suas terras chegavam até o Rio da Prata, o que incluía os territórios atuais do Uruguay e de Buenos Aires. Os cosmógrafos espanhóis insistiam que suas terras iam até Cananéia. Existiam diferenças entre as técnicas náuticas adotadas entre portugueses e espanhóis, além disso, acredita-se que existiram erros propositais, com fins políticos, em certos mapas divulgados na época.

As polêmicas sobre linha da demarcação de Tordesilhas, entre portugueses e espanhóis, durou até 1750, com o Tratado de Madrid. Mas os problemas com a divisão das terras continuou por longo tempo.

publicado por luiscatina às 12:51

mais sobre mim
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO